FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 08 Mai 2010

Movimento cívico que defendia integração anuncia fim após concretizar objectivo

Um ano e meio depois de constituído, o movimento cívico “Sim, é Natural”, que defendia a integração de Viana do Castelo na Comunidade Intermunicipal do […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Um ano e meio depois de constituído, o movimento cívico “Sim, é Natural”, que defendia a integração de Viana do Castelo na Comunidade Intermunicipal do Alto-Minho (CIM) acaba de ser extinto, na mesma semana em que, apesar do “chumbo” em referendo popular em Janeiro de 2009, o município passou a integrar aquele organismo. “Estávamos certos no conjunto de argumentos em que se baseou a nossa posição e em não baixar os braços”, começou por apontar António Gonçalves, que se assumiu como porta-voz do movimento que, reunindo elementos de praticamente todos os partidos, se assumiu contra a auto-exclusão de Viana da CIM. Entre outros argumentos, alegavam a perda de fundos comunitários, a gerir pela comunidade, facto que acabou por se revelar determinante, meses depois do referendo popular, na negociação encetada pelo novo presidente da autarquia, também socialista, para a entrada de Viana na CIM.
 

A adesão concretizou-se esta semana, com a CIM a alterar os estatutos conforme uma pretensão de Viana, passando agora as decisões a serem tomadas por consensos dos dez autarcas. “Viana do Castelo reencontrou-se com todos aqueles que fazem parte do seu território, com a sua identidade cultural e os seus parceiros naturais”, aludiu, em plena Assembleia Municipal de Viana do Castelo, António Gonçalves, sublinhando: “Provamos que os nossos argumentos estavam sustentados em princípios políticos sólidos e contra o isolamento do município. Os vianenses estão naturalmente de parabéns”. Recorde-se que além do movimento “Sim, é natural”, que defendia a integração e que contava com militantes do PS, PSD, CDS e PCP, aquando do referendo foi constituído também um movimento que defendia o “não”, liderado pelo socialista Defensor Moura, então presidente da Câmara, e apoiado também por José Maria Costa, agora líder do município e que este na génese do entendimento com a CIM.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts