FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 22 Mai 2010

Portucel Viana com “excesso de encomendas” e subida de 29% nos negócios no primeiro trimestre

A Portucel Viana, líder no mercado ibérico de produção de papel canelado para a indústria, viu o volume de negócios aumentar em 29% no primeiro […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A Portucel Viana, líder no mercado ibérico de produção de papel canelado para a indústria, viu o volume de negócios aumentar em 29% no primeiro trimestre do ano, comparativamente com o mesmo período de 2009, altura em que, face à situação económica internacional, a empresa começou a apostar forte nos países do Norte de África. “Pela qualidade da fibra, o nosso papel kraftliner resiste bem à humidade e é muito usado, por exemplo, em embalagens para a horticultura. Estrategicamente, quando o mercado europeu abrandou, começamos a colocá-lo no Norte de África, com sucesso”, aponto à Geice Isolete Matos, presidente do Conselho de Administração da Portucel/Viana.
 

Além dos mercados habituais na Europa, a Portucel/Viana confirma agora a posta na exportação para países como Argélia, Marrocos ou Tunísia, mercado que representou nos primeiros três meses de 2009 um volume de negócios de 950 mil euros. Enquanto que este ano já vai em 1,3 milhões, o que corresponde a uma subida de 33%. “Estamos com um cariz muito positivo. Até porque o kraftliner é um papel deficitário na Europa, onde não se produz para as necessidades”, apontou ainda a responsável, reconhecendo: “Temos excesso de encomendas”. No plano global, a empresa vianense, uma das principais do grupo espanhol Europac, viu a sua carteira de negócios aumentar no primeiro trimestre em 29%, cifrando-se agora em 34,7 milhões de euros, depois das previsíveis baixas em 2009. “Num ano de crise foi com facilidade que, para compensar essas quebras, colocamos o nosso papel, tendo em conta a sua qualidade, na Nigéria ou na Ásia”, sustentou ainda Isolete Matos, acrescentando: “As margens de lucro é que baixaram porque o nosso negócio é colocar o produto o mais próximo possível, para reduzir os custos de logística”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts