FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 04 Mai 2010

Viana: Cegos em peregrinação a Fátima fazem 250 quilómetros em seis dias

  Dois invisuais de Viana do Castelo partem na madrugada de terça-feira, em peregrinação ao santuário de Fátima, percorrendo diariamente cerca de 40 quilómetros, com […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

 
Dois invisuais de Viana do Castelo partem na madrugada de terça-feira, em peregrinação ao santuário de Fátima, percorrendo diariamente cerca de 40 quilómetros, com recurso apenas a dois guias. Carlos e José vão inseridos num grupo de 50 peregrinos que a pé vão partir em direcção ao Santuário de Fátima, numa verdadeira missão solidária.

 
 
Cego por completo há 27 anos, Carlos Laranjeira repete a experiência pelo terceiro ano e garantem que agora tem “mais calo” e quase já sabe o percurso de cor. “Estava capaz de ir de olhos fechados até ao santuário”, brinca o invisual, presidente da delegação da ACAPO de Viana e que este ano conseguiu arrastar António, colega de direcção e também invisual, para a experiência de percorrer 250 quilómetros em menos de uma semana. Nas pernas levam “umas dezenas” de quilómetros, percorridos nas últimas semanas como treino para a grande viagem. Pela frente estão seis dias de intensa caminhada com paragens em Vila do Conde, Vila nova de Gaia, Feira, Águeda, Coimbra e Pombal. “No primeiro ano foi muito difícil. É uma caminhada muito dura, obriga também a algum esforço dos nossos guias, mas há muita solidariedade do grupo todo”, reconhece estabelecendo como meta a chegada a Fátima a 11 de Maio. Sem querer protagonismo, garante ser apenas um dos seis elementos da organização do grupo “Fé, Paz, Amor e Esperança”, encarregue de guiar até ao Santuário de Fátima 50 peregrinos que ali se deslocam para cumprir as mais variadas promessas. “Eu também já fui cumprir a minha, no ano passado, pela minha filha. Agora estou num papel diferente, de organizar”, reconhece. Cada um dos peregrinos contribuirá com uma quantia para suportar os custos da logística de apoio montada para a grande caminhada, mas no final “o que sobrar” será para doar a instituições de solidariedade social de Viana.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts