FECHAR
Logo
admin 09 Jun 2010

Funeral de Couto Viana realiza-se quinta-feira para igreja em Viana do Castelo

O funeral do escritor António Manuel Couto Viana, falecido terça-feira à tarde em Lisboa, realiza-se quinta-feira à tarde para Viana do Castelo, disse o filho, […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O funeral do escritor António Manuel Couto Viana, falecido terça-feira à tarde em Lisboa, realiza-se quinta-feira à tarde para Viana do Castelo, disse o filho, Juan Soutullo. “Às 17:00, na igreja de Nossa Senhora de Fátima [Lisboa], será celebrada missa de corpo presente, seguindo-se o funeral com destino à igreja de S. Francisco, em Viana do Castelo”, disse.

 

“Às 17:00, na igreja de Nossa Senhora de Fátima [Lisboa], será celebrada missa de corpo presente, seguindo-se o funeral com destino à igreja de S. Francisco, em Viana do Castelo”, disse. Sexta-feira realizam-se cerimónias religiosas [encomenda do corpo] e homenagens da Câmara de Viana do Castelo, cidade de onde era natural, seguindo o cortejo fúnebre para o jazigo de família no cemitério da Ordem Terceira, segundo a mesma fonte. O escritor, 87 anos, residia há cerca de dez anos na Casa do Artista, em Lisboa, tendo sido internado no Hospital de Santa Maria “nos últimos dias, devido a problemas num pé que se agravaram, vindo a falecer”, disse à fonte próxima da família. As actrizes Alina Vaz e Carmen Dolores recordaram o “fabuloso sentido de humor” de Couto Viana que recordaram “um grande homem de teatro”. O escritor Mário Cláudio afirmou que foi “um poeta de qualidade, injustiçado” pela sua ligação ao regime de António Oliveira Salazar. “Foi muito injustiçado, porque era dos poucos escritores de talento que estavam do lado do antigo regime”, disse à agência Lusa Mário Cláudio, afirmando que o mesmo aconteceu com Natércia Freire. Mário Cláudio destacou da carreira de Couto Viana “O avestruz lírico” (1948), o seu primeiro livro de poesia, bem como a forte ligação que o escritor teve ao teatro e à música, “que é coisa rara na literatura”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts