FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 08 Jun 2010

Morreu António Manuel Couto Viana

O escritor António Manuel Couto Viana, 87 anos, morreu esta terça-feira à tarde no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse fonte próxima da família. […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O escritor António Manuel Couto Viana, 87 anos, morreu esta terça-feira à tarde no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse fonte próxima da família. O escritor, natural de Viana do Castelo, residia há cerca de dez anos na Casa do Artista, em Lisboa, foi internado naquele hospital “nos últimos dias, devido a problemas num pé que se agravaram, vindo a falecer”, disse a mesma fonte. António Manuel Couto Viana nasceu em 1923 em Viana do Castelo, o mais novo de três irmãos, no seio de uma família muito ligada às letras e as artes e de tradição monárquica. Aventurou-se pela literatura, em especial a poesia e o texto dramático (destinado a diversas idades), ainda muito jovem e tinha no Teatro Sá de Miranda, na sua terra natal, quase uma segunda casa. Mais tarde, nos seus 20 anos, mudou-se com a família para Lisboa e rapidamente se integrou nos meios intelectuais e artísticos da capital

O último livro de António Manuel Couto Viana, poeta, contista, ensaísta, actor, dramaturgo, encenador e figurinista, foi um volume de contos pícaros com o título “O que é que eu tenho Maria Arnalda?”, em Setembro de 2009. “Bichos diversos em versos” tinha sido publicado em 2008, e era o terceiro livro de poesia para crianças, com ilustrações de Afonso Cruz. Em tempos mestre de cena do Teatro S. Carlos, Couto Viana pertenceu ao grupo Távola Redonda e esteve ligado à formação de companhias de teatro, designadamente o grupo Gerifalto e o Teatro da Mocidade. Por intermédio de David Mourão-Ferreira estreiou-se como actor e figurinista em 1946 no Teatro Estúdio do Salitre, em Lisboa, mas já anteriormente tinha dado os primeiros passos no teatro de família, o Sá de Miranda, em Viana do Castelo. Em 1948, estreou-se na poesia com o livro “O avestruz lírico”, tendo desde então publicado vários títulos. Entre 1950 e 1954 dirigiu, com David Mourão-Ferreira, Luiz de Macedo e Alberto de Lacerda, os cadernos de poesia Távola Redonda, e mais tarde a revista cultural Graal, tendo ainda feito parte da redacção da revista Tempo Presente (1959-1961). Couto Viana integrou também a direcção do Teatro de Ensaio (Teatro Monumental) e da Companhia Nacional de Teatro. Encenou óperas para o Círculo Portuense de Ópera e Companhia Portuguesa de Ópera e foi orientador artístico da Oficina de Teatro da Universidade de Coimbra. Ao longo da sua carreira foi distinguido com vários prémios literários.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts