FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 18 Ago 2010

Incêndios/Parque Nacional: Dispositivo atuou para proteger pessoas e bens – ministro Administração Interna

O ministro da Administração Interna disse, hoje, em Braga que o combate aos fogos no Parque Nacional da Peneda-Gerês teve como primeira missão a de […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O ministro da Administração Interna disse, hoje, em Braga que o combate aos fogos no Parque Nacional da Peneda-Gerês teve como primeira missão a de “proteger pessoas e bens”. “O dispositivo reagiu protegendo sempre o essencial, pessoas e bens”, realçou em declarações aos jornalistas.

O governante, que sobrevoou de helicóptero o Parque Nacional da Peneda-Gerês para observar a extensão da área ardida nos últimos dias, disse ter ficado a “compreender que o combate às chamas foi extraordinariamente difícil pela orografia e caraterísticas do terreno e porque em muitas zonas há pequenos povoados, com duas três casas, positivamente incrustadas na floresta, e de muito difícil acesso”. O ministro enalteceu o que chamou de trabalho “cheio de bravura e de estoicismo”, frisando que “felizmente o trabalho teve êxito já que não houve perdas de vidas humanas e de bens pessoais”. O governante havia-se reunido no Governo Civil de Braga com os governadores civis de Braga e de Viana do Castelo, com os autarcas de ambos os distritos, com responsáveis do Parque Nacional, da Proteção Civil, da GNR e da Autoridade Florestal. Questionado sobre as críticas surgidas nos últimos dias à alegada falta de meios no Parque Nacional, Rui Pereira reafirmou o que tem dito: “em tempo de guerra não se limpam armas nem se criam polémicas”, declarou. “Fazemos um apelo à coesão e à solidariedade de todos e todos são aqueles que trabalham no dispositivo, os bombeiros, os membros das forças segurança, em especial os da GNR, os sapadores florestais, os autarcas, e a população” que – sublinhou – “tem ajudado a combater os incêndios”. Considerou que o combate aos fogos tem sido feito “com competência e com bravura para salvar pessoas e bens”, acentuando que os incêndios vão servir para “posicionar melhor os meios no terreno para preparar para os dias que se avizinham”. “As forças no terreno têm-me transmitido uma grande determinação”, disse, lembrando que infelizmente já houve três bombeiros mortos. O Ministro recordou que aquando dos funerais dos «soldados da paz» encontrou uma forte determinação em todos os bombeiros: “todos me dizem: não vamos esmorecer neste combate”, relatou. Questionado sobre o facto de a PJ já ter detido 22 suspeitos de atear incêndios, Rui Pereira saudou a PJ e as forças de segurança, (GNR e PSP) reafirmando que a área ardida é inferior à que foi consumida em anos anteriores onde também se registaram temperaturas elevadas. “Enfrentámos mais dificuldades do que nos três anos anteriores, com condições mais adversas e um conjunto vasto de incêndios, uma média de 300 diários, mas com muitos dias acima dos 400, tendo mesmo chegado aos 500 nalguns dias”, frisou.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts