FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 10 Ago 2010

Meios de S. Pedro do Sul desviados para tentar travar avanço das chamas na Peneda-Gerês

Os meios que nos últimos dias estiveram empenhados no incêndio de São Pedro do Sul foram ontem, ao final do dia, deslocados para ajudar ao […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Os meios que nos últimos dias estiveram empenhados no incêndio de São Pedro do Sul foram ontem, ao final do dia, deslocados para ajudar ao combate das chamas no Parque Nacional da Peneda-Gerês, sobretudo na zona do Lindoso, Ponte da Barca, que ameaçam zonas de flora protegida e única como a Mata do Cabril. “Para já conseguiu-se proteger, mas uma coisa é certa: Há mão criminosa nisto, é impossível que seja de outra forma”, afirmou Vassalo Abreu, presidente da Câmara de Ponte de Barca, nesta altura um dos concelhos mais fustigados pelas chamas.

 
“Só durante o dia tivemos sete freguesias de a arder. Não é natural uma coisa destas”, sublinhou ainda, desabafando: “Só espero que a Justiça funcione quando apanharem estes incendiários”. O incêndio que lavra no Alto Lindoso, Serra Amarela, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, voltou ontem a estar perto da Mata de Cabril, que ainda continua a escapar. Apesar de o fogo já estar na área do parque, em vários pontos do território, as zonas mais sensíveis escaparam, para já, as chamas. Ontem mesmo, o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, a deslocar-se propositadamente ao Lindoso para reunir com os autarcas locais e direcção do PNPG. Ficou assente um reforço de meios, antes empenhados no incêndio de São Pedro do Sul (Viseu), como um grupo de bombeiros “Canarinhos”. Vassalo Abreu adiantou que as chamas, que vieram da encosta sul da serra Amarela, em terras de Bouro, já queimaram uma parte de uma mata de azevinhos da zona, um dos seus valores ambientais raros. “Estamos concentrados em impedir que o fogo passe o rio Lima e alastre para a mata de Cabril”, sublinhou o autarca. Além dos difíceis acessos, o combate às chamas tem vindo a ser dificultado pelo facto de os meios aéreos não terem visibilidade para operar devido ao fumo espesso que paira na zona.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts