FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 08 Ago 2010

“Novas” portagens: Autarcas falam em “birras” e “obsessão” de Paulo Campos

O secretário de Estado das Obras Públicas, ao demonstrar a intenção de portajar os lanços de auto-estrada entre de Viana do Castelo até Caminha e […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O secretário de Estado das Obras Públicas, ao demonstrar a intenção de portajar os lanços de auto-estrada entre de Viana do Castelo até Caminha e Ponte de Lima acaba de lançar o alvoroço na região, apesar de ter colocado a responsabilidade na exigência de “universalidade” imposta pelo PSD. De Ponte de Lima, o vice-presidente da autarquia, Gaspar Martins (CDS-PP), reagiu às afirmações de Paulo Campos sobre as portagens, como uma “obsessão e teimosia exagerada” do Governante.

 
“Devia corrigir o que diz, ou pelo menos ser mais recatado publicamente. Há coisas em que tem estado muito errado e isso só acontece porque é muito teimoso”, atirou o vice-presidente da Câmara de Ponte de Lima, acrescentando que o secretário de Estado vive “obcecado também pelas oposições”. Isto porque Paulo Campos afirmou que a introdução de portagens na A27 (até Ponte de Lima) e A28 (até Caminha) se deve à “exigência de universalidade” de aplicação da cobrança a todas as SCUT imposta pelo PSD. “Vamos andando ao sabor das birrinhas de alguns membros do Governo e isso não pode ser. Ele que seja mais objectivo, que deixe de perseguir aqueles que não comungam da opinião do governo socialista”, afirmou ainda. Quanto à Câmara de Caminha, o vice-presidente, Flamiano Martins, diz que a atitude do Governo “vai sair cara” ás empresas e famílias do concelho. “Haverá uma menor capacidade competitiva das empresas e pode ser uma machadada importante no nosso turismo. Não é isso que um Governo deve fazer pela sua população, numa zona tão desfavorecida como é esta”, acrescentou. Flamiano Martins, também líder local do PSD, classifica ainda como “saída ridícula”, a culpa que Paulo Campos atribuiu ao PSD sobre esta matéria. “Quem está no Governo não é o PSD, mas o PS. Mas as atitudes ficam com que as tomam”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts