FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 15 Out 2010

Peneda-Gerês vai ter Plano de Ordenamento publicado ainda em 2010 – ministra

A ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, garantiu, hoje no Gerês, Terras de Bouro, que o Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Peneda Gerês – […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, garantiu, hoje no Gerês, Terras de Bouro, que o Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Peneda Gerês – que foi muito contestado pelas populações – estará publicado antes do fim de 2010. “O período de consulta pública terminou. Houve muitas sugestões, críticas, negativas e positivas, e, agora, analisados esses contributos e a sua compatibilidade com a legislação comunitária, que é preciso respeitar, está-se a ultimar o documento”, afirmou, em declarações aos jornalistas.

Questionada sobre a data provável de publicação do documento, – já que o documento lhe foi enviado em mrço – a Ministra endereçou a resposta para o Secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa – que se encontrava a seu lado – tendo este dito que será publicado “ainda este ano, sem dúvida”. A governante falava no final da visita que hoje efetuou ao Parque Nacional da Peneda Gerês para assistir aos trabalhos que estão a decorrer para recuperação da zona ardida no verão.Dulce Pássaro, acompanhada pelo diretor do Parque, Lagido Domingues, e pelo presidente da Câmara de Terras de Bouro, Joaquim Cracel, deslocou-se às zonas da Pedra Bela e das Levadas para conhecer a extensão da área ardida no verão, o projeto de reflorestação do programa «Carbono Zero» e os trabalhos de limpeza em curso no Parque Nacional. Sobre os trabalhos de limpeza que estão a ser realizados pelos funcionários do Parque, a ministra disse que englobam todos os aquedutos, levadas e valetas porque, nas áreas ardidas há mais afluência de água, que traz carumas, cinzas pedras pequenas que podem entupir o escoamento.“Se não se fizer esta limpeza na próxima chuvada a água pode transbordar e inundar zonas habitacionais ou agrícolas”, frisou.Dulce Pássaro garantiu, também, que há meios humanos suficientes, assinalando que encontrou “pessoas envolvidas e motivadíssimas para fazer o trabalho”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts