FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 09 Out 2010

Soajo: “Se fosse o ministro não dava dinheiro, dava feno”

Com as primeiras chuvas de outono, começou a regeneração da serra do Soajo embora ainda insuficiente para matar a fome aos animais sem pastos desde […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Com as primeiras chuvas de outono, começou a regeneração da serra do Soajo embora ainda insuficiente para matar a fome aos animais sem pastos desde os incêndios e ainda sem a prometida ajuda de emergência à alimentação. O gado acerca-se da vila minhota, um indicador, segundo contou o presidente da junta do Soajo, Manuel Barreira Costa, de que acabou a comida na serra, assim como os animais que vai vendo mortos na beira da estrada. O mesmo autarca que todos os dias vê alguns dos seus concidadãos comprarem fardos de feno aos espanhóis a três euros e meio cada para matarem a fome ao gado. “Se o dinheiro das judas entrasse até ao final do mês…” suspira, mas ainda ninguém sabe quando vai receber a prometida ajuda de emergência à alimentação anunciada pelo ministro da Agricultura, António Serrano, a 25 de agosto, depois da catástrofe.

Durante vários dias de incêndios arderam “dois terços” da freguesia minhota, no concelho de Arco de Valdevez, e foi lá que, simbolicamente o ministro anunciou um apoio de 40 euros por ovino ou caprino ou 100 euros por bovino.“Ainda não é tarde”, diz o autarca, lembrando que as candidaturas só terminaram a 30 de setembro e que as ajudas “são sempre necessárias, mesmo que venham tarde”.Mas mesmo que venham, o presidente da junta teme que “muitos animais vão morrer à mesma com fome porque alguns donos vão gastar o dinheiro e deixam andar os animais pela serra”.“Há pessoas que vão receber à volte de nove mil euros, o que dá para alimentar o gado um mês e meio a dois meses”, disse.Porém, para Manuel este cálculo aplica-se “às pessoas conscienciosas e há pessoas conscienciosas”, faz questão de sublinhar, ainda assim discorda que estas ajudas sejam em dinheiro.“Eu se fosse o ministro não dava dinheiro, era dar feno”, defendeu, ou “vales”, mas destinados especificamente à comida dos animais.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts