FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 06 Nov 2010

Portagens: Protesto de novo na rua a 15 de Novembro

As comissões de utentes das sete autestradas até agora Sem Custos para o Utilizador (SCUT) decidiram hoje promover, dia 15, uma “jornada nacional de protesto” […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

As comissões de utentes das sete autestradas até agora Sem Custos para o Utilizador (SCUT) decidiram hoje promover, dia 15, uma “jornada nacional de protesto” contra a introdução de portagens nestas vias e apelaram aos condutores para manifestarem o seu descontentamento no dia da greve geral. No final de uma reunião realizada hoje no Entroncamento, José Rui Ferreira, porta voz nacional das comissões de utentes, disse aos jornalistas que estas acreditam que a introdução de portagens nas antigas e atuais autoestradas sem custos para o utilizador “não é um facto irreversível”. Por isso, decidiram dar “nova dinâmica”, a nível nacional, ao protesto contra esta medida, adiantou.

Segundo o responsável, o protesto do próximo dia 15, precisamente um mês depois da introdução de portagens nas três SCUT do Norte, terá as formas que forem decididas localmente por cada uma das comissões de utentes. Quanto ao apelo aos utentes para que se associem, das formas que entenderem, ao protesto no dia 24 de novembro, José Ferreira afirmou que a greve geral convocada para esse dia é “não apenas uma jornada sindical, mas uma grande jornada de protesto”. A reunião de hoje, a segunda a nível nacional mas a primeira depois da introdução das portagens nas SCUT do Norte, no passado dia 15 de outubro, serviu ainda para fazer um “levantamento do impacto” da medida, disse. O também porta voz da Comissão de Utentes da Póvoa do Varzim/Vila do Conde lamentou a “enorme confusão” e a “enorme falta de respeito” pelos milhares de utilizadores das vias que passaram a ser portajadas, referindo-se à forma como foram vendidos os identificadores. Os atrasos na venda dos dispositivos eletrónicos e na atribuição das isenções provocou um grande desvio de tráfego para as “pseudo alternativas”, trazendo problemas de segurança a algumas localidades. Para as comissões de utentes, é “condenável” que as lideranças políticas do PS, PSD e CDS/PP não tenham inviabilizado a introdução de portagens. Para José Ferreira, o princípio do “utilizador/pagador” é uma “falsa questão”, já que as vias em causa são infraestruturas “fundamentais para o desenvolvimento da actividade económica do país”, frisando que as receitas geradas ultrapassam “em muito” os custos de manutenção. José Ferreira lamentou que o Estado tenha ocultado estudos que provam que as SCUT são “autosustentáveis”, tendo em conta o aumento de receitas que advêm para as regiões que atravessam, só para “ir buscar dinheiro de qualquer maneira”. Segundo disse, há estudos que têm como referência o ano de 1999 que mostram que os custos de construção e manutenção das SCUT eram da ordem dos 4000 milhões de euros quando o aumento da receita fiscal previsível era da ordem do 10000 milhões de euros. Como exemplo de que a medida pode ser reversível, o porta voz das comissões de utentes referiu o caso da saída de Ermesinde da A4, que foi portajada no passado.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts