FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 23 Fev 2011

União de Sindicatos de Viana diz que declarações da direcção da APPACDM são “desesperantes”

A União dos Sindicatos de Viana diz que as declarações da direcção da APPACDM são “desesperantes” e afirma que uma direcção não deve nunca interferir […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A União dos Sindicatos de Viana diz que as declarações da direcção da APPACDM são “desesperantes” e afirma que uma direcção não deve nunca interferir numa greve dos trabalhadores. Branco Viana, coordenador da União dos Sindicatos de Viana, referia-se às declarações de Manuel Domingos, dirigente da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Viana.

 
Esta quarta-feira, Manuel Domingos afirmou que não há motivos para que a greve de trabalhadores agendada para segunda-feira, entre as 10 e as 13 horas, se mantenha. O dirigente da instituição negou que haja incumprimento dos direitos dos trabalhadores. Quanto aos atrasos no pagamento de salários, disse que os vencimentos foram pagos a 10 de Fevereiro e que os atrasos registados não se devem a má gestão mas sim a “adiamentos ou atrasos de transferências financeiras por parte do Estado”. Branco Viana diz que a greve marcada para segunda-feira vai ser cumprida. Diz ainda que o presidente da APPACDM não tem “legitimidade” para dizer que a greve deve ser desconvocada. Afirma que as declarações de Manuel Domingues são “desesperantes” e que, se a direcção não queria a greve, devia ter chegado a entendimento com os trabalhadores. O dirigente sindical diz que os motivos da greve se mantêm. Diz ainda que a direcção da APPACDM nunca transmitiu aos trabalhadores os motivos para o não pagamento de salários na altura devida. O presidente da instituição garantiu que não se vão repetir atrasos mas os trabalhadores decidiram continuar com a greve como forma de alertar para o problema. Os trabalhadores querem saber a “verdade” e vão deslocar-se até ao Governo Civil na próxima segunda. Continuam assim à espera que a Autoridade para as Condições de Trabalho se pronuncie sobre a matéria e explique de quem é a culpa pelo atraso nos pagamentos dos salários. Na próxima segunda-feira, entre as 10 e as 13, os trabalhadores vão fazer greve.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts