FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 18 Abr 2011

Estaleiros de Viana: Administração diz que “não pode esperar muito mais tempo” por plano de viabilização

O presidente do conselho de Administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo considerou hoje “gravíssimo” não haver qualquer resposta do Governo ao plano de […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O presidente do conselho de Administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo considerou hoje “gravíssimo” não haver qualquer resposta do Governo ao plano de viabilização da empresa e diz que “não se pode esperar muito mais tempo”. “É muito grave o que está a acontecer. Sem este plano de viabilização, está limitada a actuação da empresa e do próprio conselho de administração dos estaleiros, que não veio para aqui gerir o dia-a-dia, mas sim promover uma reestruturação”, explicou Carlos Veiga Anjos.

 
Em causa está o plano de viabilização apresentado no início de Fevereiro aos ministérios da Defesa e das Finanças e que foi alvo de pedidos de alteração e aprofundamento, por parte da tutela. Dias depois, como confirmou o presidente do Conselho de Administração, esses pedidos foram apresentados directamente aos administradores dos estaleiros e à empresa responsável pelo estudo, em reunião conjunta. “Daí para cá, que eu tenha conhecimento, não se passou mais nada, acho que está parado. E isso é gravíssimo porque pode complicar muito a actividade da empresa. Aliás, já está a complicar”, diz Carlos Veiga Anjos. Questionado sobre as implicações, inclusive financeiras, que as ausências de um plano de reestruturação e uma estratégia podem representar para a empresa, o presidente do Conselho de Administração nada quis adiantar. No entanto, advertiu: “O que sei é que não se pode esperar muito mais tempo”. Insistindo que o próprio Conselho de Administração “começa a ficar limitado”, já que foi “nomeado para fazer uma reestruturação”, Veiga Anjos rejeita comentar se o actual Governo tem ou não condições, por estar em gestão, para avançar com a reestruturação. “Se pode ou não, não sei. Sei que foi com este Governo que assumimos o compromisso de apresentar o plano de viabilização da empresa”, diz ainda. Com cerca de 700 trabalhadores, os Estaleiros Navais de Viana do Castelo são o maior construtor naval português, sendo detidos, a 100 por cento, por capitais públicos. Entre os aspectos previstos na reestruturação da empresa figuram uma maior aposta nas construções militares, numa altura em que a Marinha é o principal cliente, uma reorganização da dívida e preparação do caminho para a anunciada privatização.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts