FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 02 Abr 2011

Viana do Castelo presta homenagem a Pedro Homem de Mello com edição de inéditos este Sábado

Uma romagem, uma sessão de declamação de poemas e a apresentação de manuscritos inéditos de Pedro Homem de Mello marcam a homenagem que a Câmara […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Uma romagem, uma sessão de declamação de poemas e a apresentação de manuscritos inéditos de Pedro Homem de Mello marcam a homenagem que a Câmara Municipal de Viana do Castelo vai fazer ao escritor este Sábado, a partir das 15h30, em Afife.

 
A homenagem surge da evocação anual do poeta que, embora sendo do Porto, viveu boa parte da sua vida em Cabanas, Afife. Do programa consta uma romagem ao cemitério pelas 15h30, com intervenções de Avelino Meira, em nome da Tertúlia Pedro homem de Mello, e de José Maria Costa, Presidente da Câmara de Viana do Castelo, seguindo-se a declamação de poemas por Júlio Cardoso e António Neiva, com um momento musical de Ana Ferreira da Escola de Música Amadeus. Pelas 16h30, no Casino Afifense, decorre a iniciativa “Jornal Falado” com moderação de Maria José Guerreiro, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Viana do Castelo, e com intervenções de Júlio Cardoso, Francisco Sampaio e Paulo Sucena. Já pelas 17h30, está prevista a apresentação de manuscritos inéditos de Pedro Homem de Mello da autorida de Lacerda e Megre, por Francisco Sampaio, seguindo-se novo momento musical por Lacerda e Megre.
Pedro da Cunha Pimentel Homem de Mello nasceu em 1904, no Porto. Frequentou a Universidade de Coimbra e a Universidade de Lisboa, onde se formou em Direito. Foi advogado e professor, exercendo funções de direcção de uma escola, no Porto. Notabilizou-se como poeta, tendo sempre manifestado interesse pelo folclore e pelas danças populares, escrevendo sobre estes assuntos em Afife, onde residiu. Da sua poesia destacam-se obras como Caravela ao Mar (1934); Jardins Suspensos (1937); Segredo (1939); Pecado (1942); Os Amigos Infelizes (1952); Grande, Grande era a Cidade (1955); Eu hei-de voltar um dia (1966); e Poesias Escolhidas (1983).

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts