FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 02 Jun 2011

Barcelos: Fábrica de chocolates “Avianense” investe 1,5 ME em novas instalações e aumenta postos de trabalho

A fábrica de chocolates Avianense, desde 2005 a laborar em Durrães, Barcelos, deverá mudar para novas instalações, na mesma freguesia, em Setembro ou Outubro, num […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A fábrica de chocolates Avianense, desde 2005 a laborar em Durrães, Barcelos, deverá mudar para novas instalações, na mesma freguesia, em Setembro ou Outubro, num investimento de 1,5 milhões de euros. O proprietário Luciano Costa disse que as novas instalações, que já começaram a ser construídas, terão 2.400 metros quadrados, sendo por isso quatro vezes maiores que as actuais.

 
O responsável acredita que o aumento da área vai permitir aumentar progressivamente o número de postos de trabalho. “Neste momento, temos 10 trabalhadores, mas podemos chegar aos 25, 30 e por aí adiante, dependendo do comportamento do mercado”, referiu. Fundada em 1914, a fábrica de chocolates Avianense foi declarada falida pelo Tribunal Judicial de Viana do Castelo a 24 de Setembro de 2004, lançando para o desemprego 48 trabalhadores. Em causa estavam dívidas superiores a 2 milhões de euros, sendo o Estado o maior credor da fábrica. A marca Avianense, bem como os equipamentos e a frota da empresa, foram arrematados por cerca de 150 mil euros por Luciano Costa, que em Agosto de 2005 retomou o fabrico dos chocolates em Durrães, aproveitando as instalações de uma fábrica de confecções, também sua propriedade. “Desde pequeno que era fã incondicional dos chocolates Avianense, adorava aqueles pauzinhos de chocolate das pastas azuis no meio de um pão ou as tabletes de 10 gramas embrulhadas em papel de alumínio. Foi muito por causa disso que decidi pegar na fábrica”, confessou o empresário.
A facturação tem registado um crescendo, ascendendo em 2010 a mais de 600 mil euros, respeitantes a 100 toneladas de chocolate. Na nova fábrica está previsto triplicar a produção anual para 300 toneladas. A nova fábrica vai ter ainda um espaço para um museu, com livros, filmes, fotografias, máquinas e outras curiosidades que contarão a história da Avianense e do fabrico do chocolate. “Será um museu aberto a escolas e a todos quantos, de uma forma ou de outra, têm recordações ou memórias da Avianense”, explicou Luciano Costa. Uma dessas recordações é, seguramente, o “Imperador”, um bombom feito com uma amêndoa torrada nacional e chocolate de leite. “É o nosso ex-líbris e o produto que mais vendemos”, assegurou o empresário.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts