FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 10 Ago 2011

Monção: 300 pessoas recordam 750 anos do foral com ópera e representação histórica

Uma ópera popular e uma representação histórica da evolução da vila levam ao centro histórico de Monção, até sábado, mais de 300 atores amadores e […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Uma ópera popular e uma representação histórica da evolução da vila levam ao centro histórico de Monção, até sábado, mais de 300 atores amadores e músicos, além de bombos, gaitas de foles e até coristas. Tratam-se de dois eventos previstos para assinalar os 750 anos da outorga do Foral Afonsino a Monção e que arrancam já esta quinta-feira à noite com uma inédita ópera popular.

 
Esta representação, cujo primeiro ato mereceu a antestreia em maio, envolve, nas muralhas da vila, a participação de 200 pessoas, recordando o período das invasões espanholas e a “ação meritória” de Deu-la-Deu Martins, uma mulher que “salvou o burgo”, atirando pães para o exterior das muralhas, fazendo acreditar os invasores que haveria fartura no interior. A interpretação da heroína de Monção fica a cargo de Inês Madeira, além de participações “profissionais” de Mário Redondo e Zulmira de Carvalho. No entanto, o destaque vai para os 200 participantes populares que se estreiam nestas andanças. Para ver, esta quinta-feira à noite.
No Sábado, serão cerca de 100 pessoas, sobretudo jovens oriundos de instituições locais e atores amadores do concelho, a promover uma encenação histórica, pelas ruas do interior da fortaleza de Monção. O espetáculo parte do Largo dos Néris, cerca das 19:00, com a leitura de parte do Foral Afonsino e retrata o percurso da localidade ao longo dos séculos, “recriando diversos momentos do quotidiano de cada época”, como “a fundação, às guerras com Espanha e, mais recentemente, a emigração”, explicou fonte da autarquia. O público é depois encaminhado em três direções distintas, percorrendo o casco medieval e visitando uma taberna e uma alfaiataria, onde serão encenados alguns quadros, bem como a “Casa do Arco”, local onde viveu o poeta João Verde.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts