FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 08 Abr 2015

UMinho: robô “Zeca” ajuda crianças com autismo

Crianças com autismo melhoraram a interação social e o sucesso nas tarefas ao interagirem com um robô humanoide da Universidade do Minho. Este projeto de […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Crianças com autismo melhoraram a interação social e o sucesso nas tarefas ao interagirem com um robô humanoide da Universidade do Minho. Este projeto de robótica afetiva é pioneiro em Portugal, tendo sido testado em várias escolas, clínicas e associações de Braga, Porto e Aveiro. Conta com a parceria da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) em Braga e o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). O robô em causa chama-se “Zeca”, sigla da expressão inglesa “Zeno Engaging Children with Autism”. Produzido pela Hanson Robotics, simula sentimentos como tristeza, alegria, surpresa e medo. As crianças participantes nos cenários de jogo melhoraram os níveis de resposta, envolvimento e interesse na interação. Em concreto, exibiram mais comportamentos não-verbais e tiveram um desempenho significativamente melhor nas tarefas, quer na identificação e imitação das expressões faciais como na inferência dos estados afetivos de colegas. Ou seja, o suporte robótico influenciou positivamente a intervenção com estas crianças, quando comparadas com as que realizaram tarefas idênticas sem este robô. A investigação, designada “Robótica-Autismo”, iniciou em 2009 no Centro Algoritmi e no Departamento de Eletrónica Industrial da UMinho, juntando Filomena Soares, Cristina Santos, João Sena Esteves, Sandra Costa, Ana Paula Pereira e Fátima Moreira. A equipa concorreu de novo à FCT para prosseguir o estudo, que já foi alvo de quatro teses de mestrado e um doutoramento, publicações em revistas internacionais e, inclusive, elogiado como exemplo na “Euronews”. São raros os projetos robóticos que visam melhorar a vida social de crianças com perturbações do espectro de autismo. Na Europa há experiências nas universidades de Zagreb (Croácia), Hertfordshire (Inglaterra) e Catânia (Itália).

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts