FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 19 Abr 2015

Viana: Julgamento de três ex-administradores da construtora Aurélio Martins Sobreiro começa hoje

Esta segunda-feira tem início no Tribunal de Viana do Castelo o julgamento de três ex-administradores da construtora Aurélio Martins Sobreiro. Os três ex-administradores estão acusados pelo […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Esta segunda-feira tem início no Tribunal de Viana do Castelo o julgamento de três ex-administradores da construtora Aurélio Martins Sobreiro. Os três ex-administradores estão acusados pelo Ministério Público (MP)  da insolvência dolosa da empresa por terem feito “desaparecer” ativos avaliados em pelos menos 5 milhões de euros, em Moçambique.
Acusa o Ministério Público que poucos meses antes da insolvência da construtora, que foi decretada em 2011, a administração cedeu por 250 mil euros a posição maioritária que detinha numa empresa de Moçambique, que estava avaliada em três milhões de euros. Na altura, os administradores terão também vendido, a um cidadão albanês, por 150 mil euros, um imóvel em Moçambique e que, segundo o Ministério Público, valia pelo menos 1,6 milhões de euros.
Na acusação do Ministério Público consta que  os arguidos, com os dois “negócios ruinosos” feitos em Moçambique, “lograram fazer desaparecer o património” da empresa, “com intenção de prejudicar os credores, incluindo os trabalhadores, o que quiseram e conseguiram, uma vez que aqueles se viram efetivamente sem os seus créditos pagos e sem forma de obter tal pagamento”. A acusação também inclui  um outro empresário de Viana do Castelo, que adquiriu a posição maioritária que a empresa de construção civil e obras públicas detinha na empresa moçambicana.
Recorde-se que a construtora altominhota foi declarada insolvente no dia 31 de outubro de 2011. Na altura, 860 credores reclamavam uma dívida na ordem dos 39 milhões de euros. Os 300 ex-trabalhadores da Aurélio Martins Sobreiro reclamam créditos, igualmente por liquidar, de 4,7 milhões de euros, nomeadamente salários e subsídios em atraso à data da insolvência.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts