FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 27 Mai 2015

West Sea já conta com 200 trabalhadores mas deverá duplicar número nos próximos meses

Neste momento, são 520 os trabalhadores da West Sea, empresa criada pelo grupo Martifer, há um ano, para assumir a subconcessão dos Estaleiros Navais de […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Neste momento, são 520 os trabalhadores da West Sea, empresa criada pelo grupo Martifer, há um ano, para assumir a subconcessão dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Carlos Martins, presidente da Martifer, revelou esta quarta-feira, na cerimónia que comemorou um ano de West Sea, que estão 520 pessoas a trabalhar na empresa vianense, sendo que 200 são contratados e 320 são subcontratados de outras empresas. Nos próximos tempos, e tendo em conta que o Primeiro-Ministro acaba de anunciar que vai entregar à West Sea a construção de dois Navios Patrulha Ocêanicos – NPO, o número de contratados deverá aumentar, chegando a cerca de 400 funcionários.
Das duas centenas de atuais trabalhadores da West Sea, cerca de 160, 80% do número, corresponde a ex-trabalhadores dos Estaleiros Navais que foram recrutados pela nova empresa.
“Cada semana são contratadas, em média, três novas pessoas para a empresa”, assumiu Carlos Martins, destacando o “profissionalismo e a dedicação” dos trabalhadores, assente no “conhecimento adquirido, na capacidade técnica e de execução”.
Também Pedro Passos Coelho, que visitou a West Sea, esta quarta-feira, referiu que “esta empresa conseguiu recrutar um número apreciável de antigos trabalhadores” e reforçou a “perspetiva de vir a duplicar esse número”, o que permitiria que o número de trabalhadores contratados fique “muito próximo” dos existentes nos ENVC, à altura da subconcessão, se forem “descontados” os que estavam próximos da idade de reforma.
Para o futuro, Carlos Martins  projetou que “2016 será o ano de internacionalização da West Sea”, anunciando a intenção de entrada na participação de um estaleiro no continente africano.
Diz que, ainda este ano, deverão avançar com mais contratos para três áreas diferentes: navios hotel de média dimensão, NPOs e navios associados à produção de energia.
Antes de dar início à sua atividade, há um ano, a West Sea procedeu à requalificação do estaleiro e reparação de diversos equipamentos, num investimento que ultrapassou os 3 milhões de euros.
Este investimento permitiu, segundo Carlos Martins, que neste primeiro ano tenham reparado e/ou reconvertido 37 navios, sendo que 22 deles foram reparados ao longo dos primeiros seis meses de atividade. A subconcessionária iniciou a construção de 2 navios-hotel em janeiro, um para a empresa Douro Azul e outro para um armador australiano, sendo que ambos deverão estar prontos em inícios de 2016. Agora, Pedro Passos Coelho, Primeiro-Ministro, revelou que também vão contratar a construção de dois NPOs à empresa instalada em Viana do Castelo.
Segundo o líder da West Sea e da Martifer, “maio foi o melhor mês de sempre, em termos de reparação naval nestes estaleiros, em 70 anos de vida da empresa”, prometendo que junho “será ainda melhor”.

Sobre as dificuldades sentidas ao longo deste primeiro ano, o responsável pela subconcessionária garantiu que “a maior dificuldade é a falta de acessibilidade para os navios”, dizendo que já perderam negócios de construção e reparação naval por causa deste entrave.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts