FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 30 Jun 2015

Companhia profissional de teatro de Viana suspende programação face a “incertezas” de financiamento

O Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana (CDV) acaba de suspender a programação até finais de 2016 “face a incertezas” no que toca […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana (CDV) acaba de suspender a programação até finais de 2016 “face a incertezas” no que toca a financiamento por parte da tutela. Em conferência de imprensa, esta terça-feira, Elisabete Pinto, diretora do CDV, explicou que a companhia suspendeu a programação devido “à instabilidade lançada pela Direção Geral das Artes (DGArtes) no setor”. Afirma que a companhia tem vindo “a anunciar a programação trimestralmente, quando antes o fazia anualmente, mas agora já nem isso podemos fazer”.
Depois de não ter obtido apoio nos últimos concursos de apoio às artes lançados pela DGArtes, o Teatro do Noroeste – CDV aguarda resposta ao recurso que instruiu para a Presidente da Comissão de Apreciação de Candidaturas do Concurso de Apoio Direto sendo que, enquanto a DGArtes não se pronunciar sobre o mesmo, a companhia vianense não pode determinar a programação a apresentar até final de 2016.
O recurso foi apresentado depois de a candidatura que a Companhia apresentou, para a atribuição de um financiamento direto de 100 mil euros por ano, para os próximos dois anos, ter sido considerada “elegível” mas não ter sido aprovada “por falta de verba”.
A candidatura ao Concurso de Apoio Direto foi apresentada pelo Teatro do Noroeste – CDV em janeiro deste ano. A lista das companhias financiadas deveria ter sido conhecida num prazo de 60 dias, mas só foi revelada 120 dias depois. A candidatura da companhia profissional vianense ficou em 38ª posição e apenas 36 candidaturas vão ser financiadas pela tutela.
Esta é uma “forma de protesto em relação a uma perfeita injustiça” que é assente numa “má distribuição de verbas”, declara, insatisfeita com a “falta de reconhecimento” do trabalho que o CDV tem vindo a promover.
 “Toda a programação está suspensa. Tínhamos uma estreia marcada para 4 de julho, a ‘Antígona’ mas, face a esta incerteza, cancelamos os ensaios, cancelamos o compromisso que tínhamos com os criadores e com os atores, cancelamos o espetáculo e não o vamos fazer. Toda a programação até final do ano, e mesmo em 2016, visto que a candidatura era para dois anos, está suspensa”, afirma.
A companhia de Viana do Castelo considera que a Comissão de Apreciação avaliou o seu projeto de forma “extrapolativa e sem o mínimo rigor”. “A julgar pela ata de avaliação, dá a impressão que estão a pronunciar-se sobre outra candidatura que não a nossa. É uma situação gravíssima”, acusa.
“A DGArtes suprimiu a audiência de interessados alegando não querer atrasar este processo em mais 14 dias, mas a lei garante-nos 15 dias para recurso e mais um mês até que a tutela seja obrigada a pronunciar-se. Entretanto, a decisão sobre os apoios que incidem sobre a programação de janeiro deste ano já só será conhecida no segundo semestre. É um absurdo e uma lâmina que pende sobre a cabeça dos criadores”, lamentou a responsável.
Por agora, a única programação que conseguem garantir é a edição inaugural da Escola de Verão para Atores, a acontecer neste mês de julho, numa oficina intensiva de 10 dias, dirigida a atores profissionais. Esta iniciativa “é a única para a qual temos garantias, pois estava planeada há mais de um ano e o financiamento é garantido pela autarquia”, explica.
Entre 1996 e 2010, realizou o FESTEIXO – Festival de Teatro do Eixo Atlântico, que apresentou 201 diferentes criações. A responsável assume que o Festeixo, que está suspenso desde 2010 por falta de verbas, está agora “obrigatoriamente comprometido” e que “até final deste ano” não será possível voltar a realizar o festival.
Em 2012, pela primeira vez, o Teatro do Noroeste – CDV não teve apoio da tutela. Mas, segundo explicou Elisabete Pinto, “reestruturou-se e desenhou um projeto de futuro” que tem sido possível continuar graças a um esforço institucional e financeiro da Câmara Municipal de Viana do Castelo, assim como a um esforço incondicional da equipa técnica e artística do Teatro do Noroeste – CDV.
O Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana conta com 23 anos de atividade de criação artística e formação de públicos no Alto Minho, tendo apresentado 122 criações e conquistado 450 mil espetadores.
Ao longo da sua história, o CDV realizou mais de 3.200 representações, nas quais participaram 214 atores profissionais e 23 encenadores. Neste percurso, o Teatro do Noroeste – CDV apresentou-se em todas as freguesias do concelho de Viana do Castelo e em todos os concelhos deste mesmo distrito.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts