FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 24 Ago 2015

APPACDM de Viana avança para tribunal esta semana para contestar nulidade de protocolos e “despejo” da associação

Os associados da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Viana do Castelo decidiram, “por unanimidade e aclamação”, avançar para […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Os associados da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Viana do Castelo decidiram, “por unanimidade e aclamação”, avançar para os tribunais, ainda esta semana, com duas providências cautelares para lutar contra a nulidade de dois protocolos assinados em 2013 com o Instituto da Segurança Social (ISS).
Em declarações à Geice, depois de uma assembleia geral extraordinária que reuniu cerca de 110 pessoas, Luiz Costa, presidente da APPACDM, explicou que a sessão foi convocada para que a direção pudesse ouvir os associados. Ficou decidido, por unanimidade, que a associação vianense vai avançar com duas providências cautelares, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB) para contestar a cessação dos acordos de cooperação celebrados com a instituição, e “o despejo ilegal das instalações do Cabedelo”, onde funcionam dois Centros de Atividades Ocupacionais (CAO).
“Foram postas em cima da mesa duas propostas. A primeira incluía acatar o ofício do conselho diretivo do ISS, restituindo o imóvel, proposta que foi rejeitada pela totalidade dos presentes. Foi aprovada a segunda proposta, a decisão de ir pela via judicial, avançando com duas providências cautelares para pôr cobro a esta decisão da restituição do imóvel e da cessação dos dois acordos de cooperação. Até ao final desta semana as duas providências cautelares entram no tribunal”, declarou Luiz Costa.
Recorde-se que em causa está o edifício situado no Cabedelo, freguesia de Darque, que foi cedido em 1991 à APPACDM, em regime de comodato, pela Segurança Social. Na altura, o imóvel foi cedido para funcionar como centro infantil mas, em 2013, e face à falta de meninos para a creche, a associação e a Segurança Social celebraram novos acordos para permitir a criação de dois Centros de Atividades Ocupacionais no espaço, cada um com capacidade de 24 utentes, e ainda um lar, que está pronto desde abril deste ano, mas que ainda não entrou em funcionamento por aguardar protocolo.
Para pôr em funcionamento os dois CAO, a APPACDM teve de investir cerca de 350 mil euros. No entanto, no início do mês de agosto, a associação recebeu um ofício do Instituto da Segurança Social onde era declarada a nulidade dos dois protocolos por, alegadamente, o ISS “não ter competência para decidir o encerramento” do centro infantil e “alterar o fim inicial” a que destinava o imóvel. O ofício pedia ainda a “restituição do imóvel”, que fora cedido à instituição por vinte anos, “com a maior brevidade possível”.
Na semana passada já o Conselho Local de Ação Social (CLAS) de Viana do Castelo rejeitou a anulação dos protocolos firmados em 2013 e decidiu ainda realizar, a 4 de setembro, “uma grande manifestação de solidariedade para com o trabalho da APPACDM”, envolvendo “todas as instituições do concelho”.
No distrito, a APPACDM tem 12 Centros de Atividades Ocupacionais, 9 lares, 3 Centros de Formação Profissional e 1 Centro Educacional. Se esta decisão for concretizada, a APPACDM “terá de mandar para casa os 31 jovens com deficiência” que estão nos dois CAO, e, no mínimo, despedir 15 trabalhadores”, vaticinou Luiz Costa.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts