FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 14 Out 2015

Peça de Guillermo Heras marca regresso do Centro Dramático de Viana depois da suspensão da programação

Depois de, no mês de julho, ter anunciado a suspensão da programação por falta de verbas e financiamento, o Centro Dramático de Viana, companhia profissional […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Depois de, no mês de julho, ter anunciado a suspensão da programação por falta de verbas e financiamento, o Centro Dramático de Viana, companhia profissional de teatro da cidade, está de regresso com “Pequenas peças desoladas”. A obra, da autoria do encenador espanhol Guillermo Heras, estreia esta quinta-feira e estará em cena até finais de outubro, com exibições à quarta-feira e ao sábado, às 21:30, no Teatro Municipal Sá de Miranda.
Durante a apresentação à imprensa da peça, Ricardo Simões, diretor artístico da companhia, diz que este é o regresso da companhia depois de ultrapassarem “uma fase difícil” com uma parceria realizada com a Direção Regional de Cultura do Norte e da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho. “Daí que foi possível voltar agora à cena”, explica, com uma obra que reúne um conjunto de reflexões de Guillermo Heras.
O responsável explica que estas peças foram escritas pelo encenador desde 2008 até à atualidade, mas que continuam a ser muito válidas porque reúnem temas que estão na ordem do dia, como o desemprego, as más condições laborais, a emigração, as guerras e os refugiados.
O espanhol Guillermo Heras diz que “Pequenas peças desoladas” engloba “pequenos dramas quotidianos” que às vezes são verdadeiras “tragicomédias”. Os temas que preocupam o encenador estão representados nesta obra, com a presença constante de animais, através de analogias.
Com tradução de Alexandra Moreira da Silva, encenação de Guillermo Heras e Ricardo Simões, a interpretação da peça cabe aos atores Adriel Filipe, Ana Perfeito, Elisabete Pinto e Tiago Fernandes. Esta é a criação número 122 do Teatro do Noroeste que, desde setembro, conta com direção artística de Ricardo Simões.
Recorde-se que, em finais de junho, depois de não ter obtido apoio nos últimos concursos de apoio às artes lançados pela DGArtes, o Teatro do Noroeste – CDV optou por suspender a programação que havia definido até final deste ano. Entretanto, em finais do mês de setembro, a companhia profissional de teatro de Viana conseguiu garantir financiamento até final do ano com o projeto de teatro “In Situ”, que percorrerá os dez concelhos do Alto Minho. O projeto representa um investimento de 75 mil euros na companhia, resultando de uma parceria entre a Direção Regional da Cultura do Norte, a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, a Câmara de Viana do Castelo, e o Teatro do Noroeste – CDV.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts