FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 23 Nov 2015

Equipa da UMinho e do CCG premiada no Canadá

Uma equipa da Universidade do Minho foi premiada no Canadá por ter desenvolvido um sistema eficaz de localização sem fios para espaços interiores. A distinção […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Uma equipa da Universidade do Minho foi premiada no Canadá por ter desenvolvido um sistema eficaz de localização sem fios para espaços interiores. A distinção ocorreu numa competição inserida na Conferência Internacional sobre Posicionamento e Navegação Interior, um evento de referência no setor. A tecnologia laureada permite determinar a posição absoluta de uma pessoa ou objeto dentro de um conjunto de edifícios. A equipa nacional juntou Adriano Moreira, Filipe Meneses, Maria João Nicolau e António Costa, investigadores do Centro Algoritmi da UMinho, sendo os dois primeiros ainda membros do grupo de Urban and Mobile Computing do Centro de Computação Gráfica, também sediado em Guimarães. A prova final contou igualmente com equipas das universidades Nacional de Seul (Coreia do Sul),Antuérpia (Bélgica) e Estugarda (Alemanha). Na iniciativa, intitulada EvAAL Indoor Localization Competition, os participantes eram chamados a processar um conjunto de leituras do sinal de rádio de redes sem fios (Wi-Fi) e a identificar com precisão o edifício, andar e posição correspondente. Os cientistas minhotos apostaram em duas abordagens complementares, ambas variantes da técnica de Wi-Fi fingerprinting, tendo conseguindo determinar sempre o edifício em questão, e as coordenadas de cada ponto com um erro médio de apenas seis metros. “De forma direta e independente, foi possível comparar e mostrar que a nossa solução teve resultados mais eficazes face às outras instituições”, referiu a equipa portuguesa. A competição, que decorreu em Banff, teve ainda uma vertente para os participantes calcularem a sua posição absoluta, em tempo real, enquanto caminhavam dezenas de metros por um trajeto de corredores, salas e escadas em vários pisos de dois grandes edifícios adjacentes. Noutra vertente similar, os participantes usaram sistemas inerciais em vez de telemóveis.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts