FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 03 Fev 2016

BE denuncia: Viana sem neurologistas de apoio às urgências durante fim-de-semana

O deputado do bloco de Esquerda, Moisés Ferreira, acaba de entregar no Parlamento um requerimento dirigido ao Ministério da Saúde questionando o Governo sobre a […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O deputado do bloco de Esquerda, Moisés Ferreira, acaba de entregar no Parlamento um requerimento dirigido ao Ministério da Saúde questionando o Governo sobre a falta de neurologistas de apoio às urgências no fim-de-semana no Hospital de Viana. O Bloco de Esquerda afirma ter tido conhecimento da divulgação de novas normas de apoio da Neurologia ao Serviço de Medicina Crítica da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM). “A partir do dia 1 de janeiro de 2016 o apoio de Neurologia passou a ser feito apenas das 8h00 às 12h00 (até às 14h00 para a Via Verde AVC) e apenas de segunda a sexta feira. Há, portanto, uma redução do horário e uma redução dos dias de apoio da Neurologia ao Serviço de Urgências. Para além da redução deste apoio, ele ficou também limitado, uma vez que os médicos neurologistas se limitam a dar pareceres, não assumindo os doentes, não pedindo exames, nem dando alta hospitalar”, pode ler-se no requerimento. A isto acrescenta que “neste momento, e por consequência, o Serviço de Urgência da ULSAM está sem apoio da Neurologia entre as 14h00 de sexta-feira e as 8h00 de segunda-feira, pelo que, no caso de dar entrada um doente que necessite de observação neurológica, tem que ser enviado para Braga ou terá, em alternativa, que aguardar em Viana do Castelo durante todo o fim-de-semana. No limite pode acontecer o seguinte: o paciente é enviado de Viana do Castelo para Braga para uma primeira observação e diagnóstico; se se considerar que é necessário o internamento do doente em questão, ele é novamente transportado de Braga para Viana do Castelo onde, no entanto, não pode ser internado a cargo da Neurologia, mas sim a cargo da Medicina Interna. Estas alterações introduzidas a partir do dia 1 de janeiro de 2016 trazem graves constrangimentos na prestação de cuidados de saúde, nomeadamente no caso de doentes neurológicos que necessitam de ser observados ou internados a cargo da Neurologia”, refere o deputado bloquista. Como tal quer saber se o Governo tem conhecimento desta situação; se não considera que é da maior importância garantir o apoio permanente da Neurologia ao Serviço de Urgências da ULSAM; e que medidas serão tomadas pelo Governo para que os pacientes não fiquem sem possibilidade de serem observados por neurologista durante todo o fim-de-semana.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts