FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 24 Mar 2016

CDV apresenta quatro representações do “Anjo branco” em maio

Será no mês de maio que o Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana vai representar o “Anjo Branco”, peça de homenagem ao Navio […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Será no mês de maio que o Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana vai representar o “Anjo Branco”, peça de homenagem ao Navio Gil Eannes. No dia 05 de abril, o Centro Dramático de Viana vai anunciar a programação para os próximos meses numa sessão aberta ao público, a bordo do navio. A sessão acontece pelas 21h30 e vai anunciar a estreia da criação comunitária “Anjo Branco”, com encenação de Graeme Pulleyn, que será integralmente representada a bordo do navio hospital.
A criação tem antestreia marcada para o dia 18 de maio, às 16h00, e pode ser vista nos dias 22, 28 e 29 de maio, sempre às 16h00, no Gil Eannes, acostado junto à doca comercial de Viana do Castelo.
Os ensaios do “Anjo Branco” começaram em outubro e a dramaturgia foi preparada por todos que vão participar nesta peça. Ricardo Simões, do CDV, explicou que a dramaturgia foi preparada com contributos dos diversos participantes e com “relatos reais de familiares de pessoas que participam no espetáculo”.
A peça de teatro “Anjo Branco” está a ser preparada com as diferentes oficinas de teatro do Centro Dramático de Viana, juntando atores do elenco residente do CDV e atores das oficinas de teatro, entre adolescentes, seniores e ex-trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo.
“Anjo Branco” terá por base a obra de Bernardo Santareno, pseudónimo literário de António Martinho do Rosário, que é considerado o maior dramaturgo português do século XX. O autor foi médico psiquiatra, durante dois anos, no navio Gil Eannes, e escreveu o texto “Nos mares do fim do mundo”, sobre a “dureza” do trabalho da frota bacalhoeira.“A peça chama-se Anjo Branco porque era um dos termos pelo qual os pescadores da frota bacalhoeira designavam o navio Gil Eannes, quando o avistavam no mar, por causa do conforto que ele trazia à frota”, revelou Ricardo Simões.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts