FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 23 Mai 2016

Autarca de Valença quer um grande resultado eleitoral do PSD nas próximas autárquicas

Nas próximas autárquicas, o autarca de Valença quer que o PSD conquiste um grande resultado eleitoral, novo líder do PSD valenciano. “Temos grandes responsabilidades pela […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Nas próximas autárquicas, o autarca de Valença quer que o PSD conquiste um grande resultado eleitoral, novo líder do PSD valenciano. “Temos grandes responsabilidades pela frente. Os próximos anos são de grande trabalho. Temos de começar a construir o projeto autárquico que queremos com um grande resultado eleitoral, para preparar já o terreno para 2021”, afirmou Jorge Mendes, durante a tomada de posse dos órgãos concelhios do PSD de Valença, agora comandados pelo autarca local.
“O PS há oito anos estava expectante que o executivo PSD seria um descalabro. Não só não o foi, como hoje, a autarquia de Valença é uma Câmara Municipal muito bem cotada, quer em termos de gestão como de execução de obra, a nível nacional. Creio que todos os valencianos estão reconhecidos pelo trabalho feito”, considerou.
Jorge Mendes referiu que a nova comissão “não é de um homem só”. É de “uma equipa como foi sempre ao longo dos últimos anos. Por isso o meu reconhecimento ao José Temporão Monte por todo o seu trabalho, entusiasmo e motivação que sempre pôs nas suas equipas. Não sou só eu. Estamos todos reconhecidos pelo teu trabalho”, realçou.
“Queremos melhorar os nossos resultados eleitorais quer a nível local, mas também ao nível regional e nacional. Iremos trabalhar nesse sentido e, juntamente com os nossos companheiros e companheiras, trabalhar de forma a afirmar os valores da social-democracia na nossa região”, concluiu Jorge Mendes.
O presidente da Comissão Política Distrital do PSD, Carlos Morais Vieira, considerou que “o exemplo do PSD de Valença serve para todos nós. “Tem feito bem o caminho, que está bem delineado”, declarou o líder da distrital laranja. Morais Vieira afirmou que “Valença tem uma cota parte fundamental do que queremos em 2017: Um PSD líder no Alto Minho, e para isso temos que saber que o nosso adversário está la fora. Temos que escolher os candidatos que recolham a confiança e o respeito. Precisamos de candidatos em quem as pessoas acreditam e confiam. Candidatos que possam apresentar com confiança e credibilidade as nossas ideias para os seus territórios. E neste campo Valença será um exemplo a seguir”.
Também o líder do grupo parlamentar do PSD na Assembleia da República, Luís Montenegro, acredita que “Valença está em boas mãos partidariamente” e, do ponto de vista autárquico, a cidade “já é uma referência da região e nacional”. Na sua intervenção, Luís Montenegro deixou um alerta: “o país está a regressar aos tempos da governação de José Sócrates. Ele fez durante muito tempo o que este ministro está a fazer agora, fazendo de conta e passando a ideia que está tudo bem. Estão lá há seis meses e o desemprego já esta a subir, as exportações estão a diminuir; temos um divida enormíssima e temos uma divida privada que é quase o dobro da pública”.“Em meio ano já se estão a sentir os sinais. Nós não queremos ser os mensageiros da desgraça. Mas não tenham duvidas. Isto vai direitinho ao fundo!”, disse o líder do grupo parlamentar. Por isso, frisou, “temos de nos concentrar em explicar às pessoas que nós merecemos a sua confiança porque temos as ideias, os instrumentos, os projetos capazes de trazer o bem-estar à vida delas”. “Queremos andar uma vida inteira a pagar dívidas cada vez mais caras e cada vez maiores? Não temos nenhuma obsessão com o défice, mas alguma empresa sobrevive 42 anos a dar prejuízos, como o país dá todos os anos?”, questionou.
“Nós não estamos aqui só para limpar a casa. Limparemos se tiver que ser, mas é preciso mostrar às pessoas que é preciso todos os dias trabalhar para gerar mais riqueza e para pagarmos a divida que os outros andaram a fazer nos anos anteriores. Senão fizermos isto vamos falir. Queremos governar por aquilo que ainda temos de fazer e não pelo que fizemos”, concluiu.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts