FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 29 Jun 2016

O melhor cartaz de sempre: Sons ibéricos dominam a 9ª Edição do Festival Folk Celta

A 9ª Edição do Festival Folk Celta, que vai decorrer nos dias 29 e 30 de Julho na Praça Terras da Nóbrega, em Ponte da Barca, foi já […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A 9ª Edição do Festival Folk Celta, que vai decorrer nos dias 29 e 30 de Julho na Praça Terras da Nóbrega, em Ponte da Barca, foi já apresentada. Com as margens do Rio Lima e do seu afluente Vade como cenário, o Festival Folk Celta, que é organizado pela Câmara Municipal de Ponte da Barca aposta novamente em dois palcos a funcionar em alternativo – o Palco Terras da Nóbrega e o Palco Bricelta. E nove anos depois o Festival garante que vai ter o melhor cartaz de sempre, apostando nas sonoridades ibéricas. Isto porque são muitos os que chegam a Ponte da Barca vindos do outro lado da fronteira, para assistir expressamente a este festival, como sublinha o autarca de Ponte de Barca, Vassalo Abreu. No primeiro dia do festival, o Palco Terras da Nóbrega arranca com os Pet Piper’s Project que estiveram o ano passado no Palco Bricelta, depois de serem selecionados pelo público no Concurso Novos Valores da Folk, e que regressam agora para uma atuação mais extensa. Seguem-se os Galandum Galundaina, uma instituição do património musical e etnográfico das Terras de Miranda que apresentam neste concerto o seu mais recente disco e por fim a reconhecida gaiteira galega Susana Seivane que coleciona colaborações com nomes de peso da folk internacional de que são exemplo o Kepa Junkera ou os Milladoiro que de resto já passaram por Ponte da Barca. A 30 de Julho, sobem ao palco os Talabarte, um trio único, estritamente acústico e baseado na música tradicional. Naturais da Galiza, propõem uma viagem à música popular desta região, com um repertório cheio de referências a ritmos, melodias e composições de outras latitudes espanholas, misturando versões e composições da sua própria autoria. A programação segue com António Zambujo que celebra aqui o seu casamento com a Folk, depois de uma intensa e bem-sucedida digressão pelos Coliseus e de ter vencido o Globo de Ouro para Melhor Artista Nacional. A festa termina com os Retimbrar que exploram ritmos, canções e instrumentos tradicionais portugueses com o objectivo maior de perpetuar a herança popular e cultural de todos nós. ´Voa Pé´ é o título do disco que trazem na bagagem. Depois de apurados os resultados do Concurso Novos Valores da Folk que registou centenas de votações do público através do Facebook, foram também divulgados os nomes que compõem o Palco Bricelta. Diretamente do Brasil, chega-nos Lÿra – uma cantora de folk alternativo com 19 anos de carreira que se deixa inspirar pelo rock e pelo gótico, e que inaugura o palco no dia 29 de Julho. Seguem-se os The Oafs, naturais de Viana do Castelo e defensores do indie folk, pop rock e músicas do mundo; e os Virandeira Folk que nos chegam da Galiza com um disco de homenagem às sonoridades celtas de Norte a Sul do Atlântico. A 30 de Julho, a programação do Palco Bricelta abre com os virtuosos Palankalama – um quarteto dedicado à música instrumental, com composições inspiradas na música tradicional e folk de diversas regiões; à qual se seguem osDrusuna de Guimarães que se auto intitulam percursores do ritual pagan folk numa clara alusão à comunhão com a Terra. A programação deste palco encerra ao som dos experientes Triquel, que com mais de 25 anos de carreira prometem trazer toda a energia do rock celta presente no disco ´Sin hacer ná´.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts