FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 29 Jul 2016

PCP colocou 20 perguntas sobre problemas do Alto Minho mesmo sem deputados eleitos

Apesar de não ter nenhum deputado eleito pelo distrito, o Partido Comunista Português colocou 20 perguntas sobre problemas do Alto Minho nos últimos meses. O […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Apesar de não ter nenhum deputado eleito pelo distrito, o Partido Comunista Português colocou 20 perguntas sobre problemas do Alto Minho nos últimos meses. O balanço foi feito pela deputada Carla Cruz esta sexta-feira, numa visita a Viana do Castelo, onde se mostrou satisfeita com a evolução do país. “Por iniciativa, proposta ou com o contributo do Grupo Parlamentar do PCP, foi possível aprovar nesta sessão legislativa mais de 60 Propostas ou Projetos de Lei e mais de 150 Projetos de Resolução”, garantiu a deputada, indicando que entregaram “mais de 600 perguntas e requerimentos ao Governo” e que 20 “são de questões específicas do distrito de Viana do Castelo”.
Para a responsável, Viana do Castelo continua a ser um distrito de litoral, com índices económicos e sociais ao nível dos distritos do interior, ”aliando a desertificação, principalmente do interior do distrito, a índices de pobreza e desemprego dos mais altos do país”. Carla Cruz realçou que “as acessibilidades continuam a ser um dos grandes calcanhares de Aquiles, com uma injusta cobrança de portagens na A28 e com a requalificação da Linha do Minho, que teima em não avançar”. “Com todos estes constrangimentos, aliados a uma insuficiente cobertura a nível de cuidados de saúde, fruto do encerramento de vários centros de saúde, e de Unidade Local de Saúde do Alto-Minho, que tem a capitação mais baixa de todo o país, podemos afirmar que é fundamental uma maior atenção por parte dos deputados eleitos por este distrito”, vaticinou.
Entre as perguntas colocadas, destaque para as questões sobre o financiamento da Unidade Local de Saúde do Alto Minho e sobre a situação dos acordos de cooperação entre o Instituto de Segurança Social de Viana do Castelo e a APPACDM.
O PCP mostrou-se ainda preocupado com o controlo da vespa asiática na região, com as infraestruturas ferroviárias e rodoviárias nos distritos de Braga e de Viana do Castelo e ainda com os atrasos nos pagamentos do Programa Operacional Capital Humano, tendo também entregue um projeto de resolução para a eliminação das portagens na A28, A41 e A29.
No que respeita às visitas e reuniões ao Alto Minho, destacou as que realizaram com a Unidade Local de Saúde do Alto Minho, com os bombeiros voluntários, com a Casa dos Rapazes ou com o Lar, da Caridade com trabalhadores e estruturas sindicais que os representam.
“Nestes oito meses foi possível, ainda que de forma tímida e insuficiente, dar passos no sentido de inverter a política de exploração, empobrecimento e liquidação de direitos”, indicou a comunista, afirmando que “foi já possível repor salários e o horário das 35 na administração pública; pôr fim à sobretaxa para muitos cidadãos; baixar os montantes das taxas moderadoras e repor isenções que haviam sido removidas pelo anterior executivo; aumentar o salário mínimo nacional”, entre outras alterações.
Apesar disso, indica, “o país continua a ter imensos problemas que é preciso resolver”, como “o fraco crescimento económico, os baixos níveis de investimento público, o desemprego, a pobreza e exclusão social”. Carla Cruz afirma que Portugal precisa de “dotar-se dos meios e dos instrumentos para vencer o atraso e o subdesenvolvimento, a dependência e a atual vulnerabilidade” e defende que isso “implica enfrentar a União Europeia, que condiciona a nossa capacidade de produzir, a nossa liberdade de distribuir a riqueza criada, a nossa capacidade e a nossa liberdade de escolhermos o caminho que, enquanto povo, queremos seguir”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts