FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 15 Ago 2016

Investigadores da UMinho patenteiam motor inovador

Três investigadores da Escola de Engenharia da Universidade do Minho patentearam um motor capaz de obter rendimentos muito elevados, no qual o movimento do pistão é livre e aproveita extensivamente a energia […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Três investigadores da Escola de Engenharia da Universidade do Minho patentearam um motor capaz de obter rendimentos muito elevados, no qual o movimento do pistão é livre e aproveita extensivamente a energia que é perdida em motores convencionais. O projeto tem apoio de um empresário dos EUA e está em terceiro lugar entre os 200 trabalhos do concurso de inovação“Create the Future Design Contest”, da revista “NASA Tech Briefs”. A votação decorre até 9 de setembro. O motor está a ser desenvolvido na UMinho por Jorge Martins e Francisco Brito, professores do Departamento de Engenharia Mecânica, e por Tiago Costa, aluno do doutoramento em “Líderes para as Indústrias Tecnológicas” do MIT-Portugal, em conjunto com Bernie Bon, um empresário americano entusiasta pelos motores. “Vimos a ideia inicial de Bernie num grupo do Linkedin, trocámos impressões e daí juntámo-nos ao projeto, introduzindo vários melhoramentos”, conta Jorge Martins. Dois investidores americanos apoiaram a divulgação do conceito em conferências e suportaram o registo da patente nos EUA. Um terceiro elemento deve financiar em breve a produção do primeiro protótipo. “Participar neste concurso dá visibilidade ao projeto, à UMinho e à ciência portuguesa”, assinala Tiago Costa. O novo motor, “Hyper4 High Efficiency Engine”, é mais leve e compacto, permitindo o desenho de um ciclo termodinâmico sobrexpandido, algo que Jorge Martins estuda há 15 anos. A maior eficiência está em redirecionar a energia desperdiçada num motor convencional, tanto em gases quentes de escape como no arrefecimento do radiador. Assim, este motor alia várias estratégias de aumento de rendimento, como combustão a volume constante, taxa de compressão variável, sobrexpansão e regeneração interna. O que permite todas as inovações é o novo formato do sistema que transfere energia mecânica para a caixa de velocidades (nos motores comuns, isto é feito pela cambota). Os investigadores confiam que o novo conceito de motor seja comprovado em protótipo em termos da sua eficiência e das prestações, para depois singrar no ramo automóvel ou em outras aplicações estacionárias como geradores, “desde que haja aceitação dos principais agentes industriais”. Cortadores de relva ou drones são outras possibilidades desta tecnologia.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts