FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 25 Out 2016

Vila Nova de Cerveira acolhe exposição que celebra 160 anos de comboios em Portugal

A partir desta sexta-feira, dia 28 de outubro, a Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) e a CP – Comboios de Portugal juntam-se para […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A partir desta sexta-feira, dia 28 de outubro, a Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) e a CP – Comboios de Portugal juntam-se para comemorar os 160 anos de comboios portugueses. Na sexta-feira, pelas 21h30, será inaugurada a exposição de artes plásticas “Lugares e Máquinas no Tempo: 160 anos do comboio em Portugal”, reunindo cerca de 3 dezenas de obras criadas por colaboradores e ex-colaboradores das empresas ferroviárias portuguesas, bem como outros apaixonados pelo universo do comboio. A sessão inaugural acontece no Fórum Cultural de Cerveira e contará com a atuação da Banda do Exército, num evento de entrada livre.
Depois ter estado patente na Estação Ferroviária de Porto – São Bento, a mostra “Lugares e Máquinas no Tempo: 160 anos do comboio em Portugal” ‘encarrila’ agora para o Fórum Cultural de Cerveira e poderá ser visitada até 03 de dezembro. A exposição tem como curador o poeta e pintor portuense Jorge Velhote e conta com a colaboração de Vítor Guedes, responsável por diversas mostras de arte na cidade do Porto.
Os autores das obras são maioritariamente provenientes dos concelhos da Área Metropolitana do Porto e responderam ao desafio lançado pela CP em julho deste ano, para apresentação de propostas de obras plásticas sobre a temática do comboio. A originalidade desta exposição, no contexto do universo ferroviário português, reside no facto de proporcionar aos visitantes a possibilidade de apreciar diversas formas de olhar o comboio.
Nas palavras do presidente da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, Fernando Nogueira, a celebração ser em Vila Nova de Cerveira faz todo o sentido, uma vez que “tanto a Bienal Internacional de Arte de Cerveira como a CP são pilares fundamentais no meio em que se inserem, tendo contribuído de um modo único e arrojado para a descentralização de serviços e mentalidades em Portugal”.
Paralelamente a esta mostra, estará patente também ao público a exposição “Ei-los que partem”, promovida pela Direção de História e Cultura Militar do Museu Militar do Porto, pela CP e Infraestruturas de Portugal, com o apoio da Fundação Marques da Silva e do Instituto Politécnico do Porto.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts