FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 09 Nov 2016

UMinho vai criar materiais mais resistentes para o Exército e a Força Aérea

O consórcio AuxDefense – que prepara uma nova geração de fardas mais resistente ao impacto, corte e perfuração – é apresentado esta quarta-feira, às 14h30, […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O consórcio AuxDefense – que prepara uma nova geração de fardas mais resistente ao impacto, corte e perfuração – é apresentado esta quarta-feira, às 14h30, no Paço dos Duques, em Guimarães. O projeto junta a Universidade do Minho, a Força Aérea, o Exército e as várias empresas, além das universidades de Plymouth (Reino Unido) e Politécnica de Hong Kong (China). Conta com 782 mil euros, 89% vindos do Ministério da Defesa, e prolonga-se até 2018. A iniciativa prevê o uso de materiais auxéticos, isto é, que contrariam as forças que lhes são aplicadas, diz Raul Fangueiro, professor e coordenador da plataforma internacional Fibrenamics na TecMinho/Escola de Engenharia da UMinho. Coletes, capacetes balísticos e fardamento de combate, incluindo joelheiras e cotoveleiras, vão incorporar aquela tecnologia. O conhecimento gerado será divulgado na futura Plataforma Internacional de Materiais Avançados para a Defesa e poderá ser ainda utilizado pelas entidades do consórcio noutros âmbitos em que a necessidade de absorção de energia e resistência ao impacto, ao corte e à perfuração assuma preponderância. Além da intervenção de Raul Fangueiro, o workshop conta com as palestras “Materiais do futuro”, por Paulo Antunes, da Critical Materials, e “Oportunidades na Defesa”, por Eduardo Neto Filipe, da Plataforma das Indústrias de Defesa. O consórcio “AuxDefense” evidencia uma nova visão da tutela, que aposta em parcerias na investigação, na conceção e no fabrico nacional de fardas anti-impacto inovadoras, entre outras características, e que pode transformar a forma como os militares executam algumas missões. O projeto enquadra-se no nível 7 da escala Technology Readiness Level, ou seja, tem em vista a eventual aplicação comercial ou industrial, podendo chegar ao mercado “civil”.
 

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts