FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 23 Dez 2016

Câmara de Caminha assume gestão cultural do Cineteatro dos Bombeiros que reabre a 07 de janeiro

A partir do mês de janeiro do novo ano, a Câmara Municipal de Caminha fica responsável pela gestão cultural do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A partir do mês de janeiro do novo ano, a Câmara Municipal de Caminha fica responsável pela gestão cultural do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora. O protocolo entre o município liderado por Miguel Alves e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora para a utilização do equipamento foi aprovado e assegura também uma verba mensal, que permitirá à Associação garantir o pagamento das obrigações assumidas com as obras.
Depois de cerca de duas décadas encerrado, o Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora abre as suas portas, completamente remodelado, no próximo dia 07 de janeiro. A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, estará presente na sessão solene. À noite, o palco recebe um grande espetáculo. António Zambujo será o protagonista de um concerto solidário, cujo valor da bilheteira, esgotada nos dois primeiros dias de venda dos bilhetes, reverte para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora.
O objetivo principal do protocolo é a cedência de utilização do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora à autarquia, para que possam ser realizadas atividades sociais e culturais, e ao mesmo tempo apoiar a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora no que toca à manutenção do equipamento. O autarca Miguel Alves refere que “esta proposta é fundamental para a sustentação financeira dos Bombeiros, para suporte do pagamento das obrigações assumidas com a reabilitação do Cineteatro e para fomento da programação cultural em Vila Praia de Âncora e no concelho de Caminha”.
Nos termos do documento, a Câmara assume a gestão cultural, o que implica a definição da linha programática, contratação, divulgação, promoção e procedimentos em geral. A Câmara responsabiliza-se também pelo pagamento de todas as despesas relativas a energia, água, limpeza, manutenção e recursos humanos, pagando ainda à Associação Humanitária, mensalmente, a quantia de 1.000 euros. O protocolo tem a duração de dez anos, com início em janeiro de 2017, sendo automaticamente renovável se as partes assim o entenderem.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts