FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 20 Dez 2016

Caminha e A Guarda apresentaram ao Governo a candidatura do Estuário do Minho a paisagem cultural da UNESCO

Os autarcas de Caminha e de A Guarda apresentaram ao Governo, no fim-de-semana, a candidatura “Estuário do Minho Caminha – A Guarda” a Paisagem Cultural […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Os autarcas de Caminha e de A Guarda apresentaram ao Governo, no fim-de-semana, a candidatura “Estuário do Minho Caminha – A Guarda” a Paisagem Cultural da UNESCO. Os presidentes das duas autarquias estiveram em Lisboa, com o ministro da Cultura, Luís de Castro Mendes, para apresentar o projeto, num encontro que contou também com a presença dos dois peritos que estão a trabalhar com os municípios caminhense e galego. Da parte do ministro foi reiterado que o Governo de Portugal vê com muito interesse e entusiasmo esta candidatura transfronteiriça sustentada em História, património e beleza natural.
Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha, explicou que “foi com muita alegria e sentido de responsabilidade que apresentamos ao Governo português o trabalho que temos vindo a desenvolver no último ano para candidatar o estuário do Minho a Paisagem Cultural da UNESCO”. O edil disse ainda que depois de entregue a candidatura, cabe agora ao Governo decidir, depois de ouvidas todas as instituições, se a proposta “tem mérito e deve ser colocada junto da lista indicativa da UNESCO”. Confessou um “nervoso miudinho”, mas garantiu ter “muita confiança de que Portugal e Espanha possam assumir esta candidatura que cremos ter todas as condições para sair vitoriosa”.
Recorde-se que Miguel Alves e António Lomba Baz assumiram como objetivo comum dos dois municípios que representam a valorização do Estuário do Rio Minho, tendo assinado em finais de 2015, um memorando de entendimento com vista à candidatura do “Estuário do Minho Caminha – A Guarda” a Paisagem Cultural da UNESCO.
Miguel Alves e António Lomba Baz acreditam que a riqueza histórica, cultural, paisagística, ambiental, económica, etnográfica e humana desta zona comum são condições suficientes para o sucesso do projeto que então se iniciou e que se tornou possível graças às excelentes relações entre A Guarda e Caminha e ao espírito de colaboração. Entretanto os dois municípios realizaram já eventos em conjunto, nomeadamente de valorização do Caminho Português da Costa.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts