FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 17 Mar 2017

Monção: 1ª “Feira da Foda” vai incluir inauguração de forno comunitário

A primeira edição da “Feira da Foda” realiza-se nos dias 25 e 26 de março, na freguesia de Pias, concelho de Monção. Além da degustação […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A primeira edição da “Feira da Foda” realiza-se nos dias 25 e 26 de março, na freguesia de Pias, concelho de Monção. Além da degustação do cordeiro confecionado em alguidar de barro e levado ao forno de lenha juntamente com o arroz, conhecido localmente como “Foda à Monção”, o certame apresenta produtores de rês, maquinaria agrícola, tasquinhas tradicionais, artesanato regional, peça de teatro, espetáculo de dança e animação musical. Durante a feira acontece também a inauguração dos Tanques do Encontro e do Forno Comunitário, bem como a primeira entronização da recém-constituída Confraria da Foda – Pias.

Com organização da Junta de Freguesia de Pias e a Confraria da Foda, a feira decorre no largo da sede de junta. Este é um evento dedicado à comercialização de gado caprino e ovino que decorre sempre antes da Páscoa e que vai contar também com degustação do afamado prato. O presidente da Junta de Freguesia de Pias, Agostinho Correia, explicou à Geice que o evento inclui “a degustação da foda à moda de Monção”, explicando que o anho é confecionado num alguidar de barro, em fornos de lenha.

Pelo sabor e pelo nome, o Cordeiro à Moda de Monção, conhecido como “Foda à Monção”, é referência obrigatória no roteiro gastronómico local. O recinto vai incluir espaço de degustação, venda de gado e de vinhos, para além de máquinas agrícolas e produtos locais.

O nome artístico do prato reflete o caráter bem-disposto dos monçanenses. Reza a história que “Os habitantes do burgo, que não possuíam rebanhos, dirigiam-se às feiras para comprar o reixelo. E, como em todas as feiras, havia de tudo, bons e maus. A verdade é que os produtores de gado, quando o levavam para a feira queriam vendê-lo pelo melhor preço e, para que os reixelos parecessem gordos, punham-lhes sal na forragem, o que os obrigava a beber muita água. Na feira, apareciam com uma barriga cheia de água e pesados, parecendo realmente gordos. Os incautos que não sabiam da manha compravam aqueles autênticos “sacos de água” e, quando se apercebiam do logro, exclamavam à boa maneira do Minho: que foda!”. O termo tanto se vulgarizou que o prato passou a designar-se, localmente, por foda.

 

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts