FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 31 Out 2018

Autarca de Viana considera que novo Plano da Orla Costeira “faz todo o sentido e é necessário

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, diz que o novo Plano da Orla Costeira entre Caminha e Espinho “faz todo […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, diz que o novo Plano da Orla Costeira entre Caminha e Espinho “faz todo o sentido e é necessário” face aos efeitos das alterações climáticas.
“De uma forma global, eu diria que este Plano da Orla Costeira (POC) faz todo o sentido, é necessário, foi atualizado em devido tempo e acho que é uma abordagem nova que temos de ter perante o que são as adaptações climáticas. Não podemos falar de uma coisa e depois não agir. Tem de haver uma responsabilidade coletiva de proteção e valorização da nossa costa, pondo em equação o uso de dinheiros públicos para a manutenção de estruturas urbanas nas zonas de frente de praia quando elas não podem lá estar e têm de ser relocalizadas”, afirmou José Maria Costa.
O novo Plano da Orla Costeira entre Caminha e Espinho, que vai entrar em período de discussão pública esta segunda-feira, determina a destruição de 34 edifícios, entre eles o Edifício Transparente, construído no Porto durante a Capital Europeia da Cultura em 2001 e que custou 7,5 milhões de euros.
O autarca socialista, que falava aos jornalistas na biblioteca da cidade, à margem da sessão de encerramento do “European Natura 2000 Award”, atribuído ao projeto “Escola da Natureza – Rede Natura 2000 em Viana do Castelo”, adiantou que, no concelho, o POC prevê “algumas situações que estão identificadas e a serem analisadas”.
“Não são demolições agora, são limitações a construção ou a reabilitação. Estamos a analisar os casos concretos, há algumas situações que podem ser corrigidas durante a discussão publica”, sustentou, garantindo que, atualmente, “a gestão das orlas costeiras é um problema da humanidade”.
“Há situações concretas que têm de ser avaliadas, mas do ponto de vista do conceito e dos objetivos o POC faz todo o sentido. O POC está no bom caminho e eu revejo-me neste plano”, sustentou.
No concelho de Viana está em causa a retirada progressiva de edifícios em risco ou construídos ilegalmente em cima das dunas na praias da Amorosa e Pedra Alta.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts