FECHAR
Logo
Pedro Xavier 05 Mai 2020

Comerciantes de Viana do Castelo já podem solicitar kit com selo que certifica “Comércio Seguro”

O Vereador do Desenvolvimento Económico da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre, e o Presidente da Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC), Manuel Cunha Júnior, entregaram hoje o primeiro de mil ‘kits’ já disponíveis para a iniciativa “Comércio Seguro”, que visa reativar o comércio tradicional da cidade e do concelho vianense através de um selo que garante que o negócio está a cumprir todas recomendações de prevenção da Covid-19, emanadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Os kits, que incluem o selo, são atribuídos mediante a assinatura de uma declaração de compromisso e incluem um guia com as recomendações da DGS, e estarão disponíveis a partir desta quarta-feira nas instalações da AEVC. Luís Nobre assegura que o objetivo desta iniciativa da Associação Empresarial, em parceria com a Câmara Municipal, “é ajudar a restabelecer o ambiente de confiança que deve existir entre consumidores e comércio tradicional e vice-versa”.

“O cliente deve sentir confiança, motivação e vontade de voltar ao espaço público e de comprar no nosso comércio tradicional”, considerou, destacando a importância de “garantir a sustentabilidade do nosso comércio e de ajudar a manter postos de trabalho”.
Garante o responsável que “este ambiente de confiança tem de chegar a todos os agentes económicos do concelho” e, para isso, a iniciativa conta “com a ajuda das Juntas de Freguesias para que, o mais rapidamente, possamos restabelecer a normalidade na atividade comercial do concelho e nas nossas vidas”.

Já o Presidente da AEVC assume que, numa primeira fase, foram disponibilizados mil kits, mas que a iniciativa quer chegar ao maior número possível de empresas. Na área urbana de Viana do Castelo estão situadas cerca de 600 lojas comerciais, sendo que, em todo o concelho, o tecido empresarial integra cerca de 3.400 empresas, perto de 1.000 dos setores de hotelaria, restauração e similares.
“Queremos demonstrar às pessoas que é seguro voltar às ruas, dentro das normas de segurança”, frisa Cunha Júnior, indicando que o material didático disponível no ‘kit’ para os comerciantes é ajustado a cada setor de negócio. “Queremos ajudar a reaquecer a economia do concelho e de Portugal”, indicou ainda.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts