FECHAR
Logo
Pedro Xavier 23 Mai 2020

PCP esteve em contacto com trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

No seguimento da decisão da última reunião do Comité Central, a Direcção da Organização Regional de Viana do Castelo do PCP (DORVIC) promoveu ontem uma jornada de contacto e informação junto dos trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo sob o lema «Nem um direito a menos», inserida na campanha «Valorizar o Trabalho e os Trabalhadores. Não à exploração».

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O PCP considera ser da maior importância chamar a atenção para os problemas dos trabalhadores, que estão a ser atingidos nos seus direitos e condições de vida, na sequência das consequências directas do surto epidémico, mas também do facto de sectores do patronato estarem a aproveitar esse surto para reduzir salários e outros rendimentos dos trabalhadores e para limitar os seus direitos, como o direito a um horário de trabalho que permita conciliar a vida pessoal e familiar com a vida profissional, o direito a férias e o direito a trabalhar com condições adequadas de higiene, segurança e saúde.

O vírus é real, e não pode haver dúvida que justifica medidas para o conter. Mas é inaceitável que sob esse pretexto, o patronato aproveite a oportunidade que a situação coloca para, no imediato, agravar a exploração dos trabalhadores.

É neste contexto que a DORVIC esteve em contacto com os trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo para lhes dizer que é urgente valorizar o trabalho e os trabalhadores e dizer não à exploração.

O facto da Administração da West Sea insistir na alteração unilateral dos horários dos trabalhadores do estaleiro, bem como os problemas que se têm verificado com o não pagamento do subsídio de refeição devido a alguns trabalhadores, são sinais que este caminho pode ter consequências para o futuro.

Daí a necessidade de afirmar que os trabalhadores precisam que o seu trabalho seja valorizado: mais salário, melhores direitos, melhores condições de trabalho. Esse é o caminho a seguir para dar resposta à fase atribulada que atravessamos.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts