FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 24 Jul 2020

Exposição “Bem-Vinda Sejas Amália” já abriu no Museu do Traje

O Museu do Traje de Viana do Castelo tem disponível até 30 de agosto a exposição “Bem-Vinda Sejas Amália”, que assinala o centenário do nascimento da fadista Amália Rodrigues. A exposição foi inaugurada no dia em que se celebraram os cem anos do registo do assento de nascimento da artista e, em Viana do Castelo, inclui também o traje que a artista envergou em 1998, quando esteve nas festas da cidade enquanto Presidente da Comissão de Honra das Festas em Honra de Nossa Senhora da Agonia.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O Presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, referiu que a fadista, “através da sua inconfundível voz”, marcou o país e o mundo. Considerou ainda que “temos uma dívida para com Amália Rodrigues e Pedro Homem de Mello por terem cantado Viana do Castelo em todo o mundo”.

Já a Vereadora com o pelouro do Património e Equipamentos Culturais, Carlota Borges, referiu que esta é uma “exposição extraordinária” que evidencia o facto de Amália ter atuado em todo o mundo, o que demonstra a “grandiosidade” da artista.

A exposição, organizada pela Fundação Amália, integra o programa nacional de Comemorações do Centenário do Nascimento de Amália e tem o Alto Patrocínio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A vida da aclamada Diva do Fado é celebrada nesta mostra em quatro módulos, mostrando as diversas facetas de Amália. “Evocar a figura maior da alma portuguesa do século XX é o desafio que a Fundação Amália Rodrigues se propõe com esta exposição itinerante (…), desvelando múltiplas faces da artista mitificada, divinizada, tornada global e ‘heterónimo de Portugal’”, indica o curador da exposição, Rui Órfão.

O título “Bem-vinda sejas Amália” é uma alusão à forma carinhosa como foi recebida pelos militares portugueses em Moçambique, em 1969, quando foi cantar para os feridos de guerra. A frase, então escrita num cartaz, registada pela RTP para a posteridade, foi sendo replicada noutras alturas e noutros contextos, nas suas inúmeras digressões pelo país e pelo estrangeiro. 

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts