FECHAR
Logo
Pedro Xavier 17 Jul 2020

Incêndios: Proteção Civil proíbe o uso de fogo e apela à proteção

Mais de uma centena de concelhos de 14 distritos de Portugal apresentam risco máximo de incêndio.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

As “temperaturas elevadas, o vento forte do quadrante leste e a baixa humidade relativa do ar, nomeadamente durante a noite, com fraca recuperação” potenciam, alertou na tarde da passada quinta-feira a Proteção Civil, “as ignições que existam a tornarem-se com alguma dimensão”.

Face a esta situação “foi decidido reforçar o dispositivo nestes distritos em alerta vermelho, com o recurso também a patrulhamento militar, com o auxílio das Forças Armadas e com o reforço pontual com equipas no âmbito dos bombeiros”, esclareceu André Fernandes, Segundo Comandante da Proteção Civil.

Foram ainda ativadas as estruturas de coordenação a nível distrital que “permitem uma melhor monitorização e dos esforços quer do combate, quer da vigilância“.

Com a decisão do Governo de decretar a Situação de Alerta, a Proteção Civil apelou ainda aos portugueses “que cumpram na íntegra as restrições que estão inerentes a esta declaração”, sendo estas a proibição de uso do fogo em qualquer espaço florestal, do fogo de artifício nos distritos em alerta vermelho e o acompanhamento da situação junto das fontes oficiais e meios de comunicação.

“As medidas de autoproteção são o fator de sucesso para a minimização da ocorrência e do dano do incêndio rural. Se cumprirem com todas as determinações, vão-nos ajudar a baixar o número de ignições que, de facto, é o sucesso para qualquer combate”, sublinhou o Segundo Comandante, pedindo ainda a que as pessoas “não se aproximem das zonas de incêndios rurais”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts