FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Rádio Geice 29 Ago 2020

Alteração ao PDM de Paredes de Coura entra em discussão pública

Uma alteração ao Plano Diretor Municipal (PDM) de Paredes de Coura, que permitirá a recuperação para fins turísticos de um solar setecentista, vai entrar em discussão pública, de acordo com um aviso publicado em Diário da República.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O período de consulta pública da segunda alteração ao PDM de Paredes de Coura, no distrito de Viana do Castelo, tem um prazo de 30 dias úteis, contados a partir do quinto dia útil da publicação do aviso.

Em junho, em declarações à Lusa, o presidente da Câmara, Vítor Paulo Pereira, justificou a alteração com a necessidade de “alargar” o uso do solar, propriedade do município, de equipamento de utilização coletiva e infraestruturas, para uma utilização por empreendimentos turísticos e instalações, serviços e equipamentos de exploração turística.

Em causa está a Casa do Outeiro, na freguesia de Agualonga, em Paredes de Coura.

O imóvel consta da lista 14 edifícios classificados e propriedade do Estado ou das autarquias locais a recuperar ao abrigo do REVIVE, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças, que visa promover a recuperação e a requalificação de imóveis públicos classificados que estão sem uso, através da concessão a privados para exploração para fins turísticos.

De acordo com informação que consta no sítio oficial na Internet do Programa REVIVE, a Casa do Outeiro, como é localmente conhecida, é “um solar setecentista enquadrado em meio rural, localizado em Agualonga, que teve como atividade predominante a função agrícola, face à extensão dos dois espigueiros existentes no terreno fronteiro à casa”.

“O solar é uma construção de tipologia seiscentista, ladeada de capela, e que combina modelos de raízes erudita e popular, em que sobressaem os cunhais, cimalhas, molduras e ornamentos em granito”, lê-se na descrição do imóvel.

Segundo aquela publicação, “um dos primeiros proprietários da Casa do Outeiro foi Esteves da Fonseca Martins, a quem se deve a sua construção no século XVIII”.

Mais tarde, a Casa do Outeiro “passou para a propriedade dos Antas, de Rubiães, através do dote de casamento de D. Francisca Rosa Pereira Antas, concedido por seu tio”.

O último proprietário do solar “foi o Visconde de Peso de Melgaço e, na década de oitenta do século passado, o Solar dos Viscondes do Peso foi doado ao município e à diocese”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts