FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 28 Set 2020

Fórum Cultural das Neves representa investimento municipal superior a 295 mil euros

O executivo camarário aprovou a abertura de concurso público para a empreitada de construção do Fórum Cultural das Neves, com uma estimativa orçamental de 295.700 euros. De acordo com a proposta levada a reunião ordinária, “a Câmara Municipal de Viana do Castelo pretende dotar as Neves de um equipamento apropriado para acolher os eventos culturais da envolvente onde se insere”.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

A empreitada implica a reconstrução integral de um edifício no centro das Neves e terá um prazo de execução de 180 dias, conforme a proposta de abertura de procedimento. A obra visa a promoção e divulgação do Castro de Roques, assim como a criação de um espaço de exposições permanentes e temporárias e sala polivalente para colóquios e palestras.

Recorde-se que o Lugar das Neves é comum a três freguesias, Vila de Punhe, Mujães e Barroselas, todas na margem esquerda do rio Lima. Já o Castro de Roques, também referido como Monte Santinho, distribui-se pelas freguesias de Vila de Punhe, Vila Franca e Subportela. Trata-se de um castro da Idade do Ferro, considerado uma das maiores cividades desse período na Península Ibérica.

Ainda hoje se encontram inúmeros vestígios da cultura castreja da Idade do Ferro no alto dos montes de uma vasta região em torno de Viana do Castelo. O castro existente no Monte Roques é um dos maiores do Minho, com cerca de 6 hectares de área, sendo superior em extensão à Citânia de Santa Luzia. 

O Castro de Roques era uma fortificação de planta aproximadamente oval, protegida por uma muralha única a Este, disposta ao longo da linha de rochedos que defende a encosta íngreme deste lado, e três cinturas de muralhas, com alicerces ainda identificáveis, no restante perímetro. Entre as diversas muralhas ficam vários metros de espaço livre. Dentro do recinto existiam diversas habitações, algumas de planta circular, como se pode verificar pelas coroas murais restantes, com pavimento de terra batida e uma fogueira central. O núcleo central da cidadela é mais elevado, formando um terraço ou acrópole, talvez artificial. A ocupação romana do castro é comprovável por diversos testemunhos arqueológicos, tal como a presença de tégulas (telhas) de barro cozido, que substituiriam a tradicional cobertura de colmo das habitações.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts