FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 11 Out 2020

Viana do Castelo dinamiza Cluster das Energias Renováveis Oceânicas

Viana do Castelo tem registado, nos últimos anos, um crescente interesse por parte de entidades e empresas interessadas no desenvolvimento de projetos inovadores no domínio das energias renováveis oceânicas e também na robótica marinha. Para o Presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, os projetos que integram o Cluster das Energias Renováveis Oceânicas “vêm criar mais valor à região”.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Neste momento, está em desenvolvimento o projeto Windfloat, o maior projeto europeu de energias eólicas em plataformas flutuantes liderado pela EDP Inovação, mas também um projeto de aproveitamento de energia das ondas, através de uma empresa sueca – CorPower Ocean – que vai instalar em Viana do Castelo uma unidade de produção destes equipamentos.

A tecnológica está atualmente a investir 16 milhões de euros num centro de Investigação e Desenvolvimento (I&D) para desenvolver conversores de energia das ondas, a instalar no porto comercial da cidade, que integra um projeto global de 52 milhões de euros que deverá estar concluído até 2024. Para tal, a CorPower Ocean e a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) chegaram a acordo para desenvolver a instalação de energia oceânica no porto comercial vianense. A APDL proporcionará espaço para o fabrico, montagem e manutenção de conversores de energia das ondas à escala comercial. 

Em causa está o projeto considerado “pioneiro”, designado por HiWave-5. No documento, a empresa, líder em tecnologia de energia das ondas, justificou a escolha de Viana do Castelo para a instalação do I&D “com um sólido conjunto de engenheiros de setores como eólicas marítimas, fabrico de compósitos e estaleiros navais, universidades de alto nível e infraestrutura industrial, incluindo portos e ligação à rede”.

Recentemente, foi também aprovada a instalação, por parte da Autoridade Portuária, de um projeto piloto de energia fotovoltaica flutuante a ser instalado no estuário do rio Lima e o INESC centralizou em Viana do Castelo um projeto de investigação europeu, aprovado pela Comissão Europeia através do Horizonte 2020, para utilização da robótica na monitorização e reparação de infraestruturas, plataformas e equipamentos flutuantes em espaço marítimo. 

Viana do Castelo vai, pois, acolher o Atlantis Test Center, o primeiro centro europeu de teste de robôs marítimos em ambiente real, num investimento de 8,5 milhões de euros, financiado pelo Horizonte 2020 – Programa Quadro para a Investigação e Inovação, em três anos, a ser criado ao largo da costa, no WindFloat Atlantic.

O projeto vai ter um centro de testes, com uma unidade de preparação em terra e uma unidade real nas plataformas do Windfloat. Estas duas zonas vão permitir validar e demonstrar a tecnologia para utilizadores finais, bem como apoiar no treino/certificação de operadores (para lidarem com os avanços tecnológicos) e o ensino da sociedade (universidades, institutos e centros de investigação). 

O Centro de Investigação e Desenvolvimento deste projeto será, assim, em Viana do Castelo, aproveitando as infraestruturas do projeto Windfloat bem como de uma rede de parcerias e atores locais, dos quais se destacam o Município de Viana do Castelo, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), West Sea, Enercon, Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e outras empresas do setor.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts