FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 13 Set 2021

Turismo Norte apela à TAP para dizer se vai repor rotas brasileiras e americanas

O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal apelou hoje à TAP para revelar “rapidamente” se o plano de reestruturação em curso prevê a reposição das rotas com os mercados brasileiro e americano.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

“Este apelo não vai só no sentido de sabermos rapidamente qual é o plano [de restruturação da TAP], mas acima de tudo que nesse plano [de reestruturação] esteja traduzida esta importância que estes mercados [brasileiro e americano] têm para a região”, declarou Luís Pedro Martins, numa entrevista à agência Lusa a propósito de um balanço turístico deste verão na região e sobre as perspetivas do setor para os próximos meses.

O apelo do presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) para que a companhia aérea TAP avance de forma célere com a informação sobre o plano de reestruturação e sobre as rotas que vai oferecer, explica-se pelo facto de os mercados brasileiro e americano serem “dois mercados muito importantes para o turismo do Porto e Norte de Portugal”,

“O mercado brasileiro é o terceiro mercado emissor da região do Porto e Norte e é o quinto mercado [emissor] para o país”, destacou, lembrando que por causa da pandemia a região só se reabriu “muito recentemente aos mercados americano e brasileiro”.

Para Luís Pedro Martins, é essencial conhecer os planos da TAP para que a TPNP, em conjunto com a Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e com o Turismo de Portugal, possam traçar em conjunto estratégias para o futuro turístico da região.

“Saber o que é que a TAP vai fazer é que ainda não sabemos. É importante saber o que é que a TAP vai fazer para podermos alinhar ou desenhar outras estratégias, nomeadamente com outras companhias [aéreas]. E, para isso, temos que contar também com as entidades CCDR-N e Turismo de Portugal”, considerou.

Luís Pedro Martins sublinhou que um dos projetos prioritários para a região é a “conectividade aérea”, algo que é um fator crítico de sucesso para a região.

“Se nós não o conseguirmos resolver, é muito preocupante para a região”, assinalou.

“Queremos acreditar que logo que o próximo Programa Operacional (PO) esteja disponível, estamos muito alinhados para conseguir financiamentos para uma série de projetos”, acrescentou Luís Pedro Martins, referindo que as prioridades para a região e os projetos estão a ser discutidos entre responsáveis da TPNP, CCDR-N e Turismo de Portugal.

A TAP pretende operacionalizar o plano de reestruturação em outubro, segundo adiantou a presidente executiva (CEO) da companhia aérea, Christine Ourmières-Widener, numa entrevista publicada na ‘newsletter interna da empresa’, e à qual a Lusa teve acesso.

A TAP SA reduziu, no primeiro semestre deste ano, os prejuízos, para 493,1 milhões de euros, uma recuperação de 15,3%, ou 88 milhões de euros, face aos resultados negativos de 582 milhões de euros do período homólogo.

Desde 31 de dezembro de 2020, um total de 1.302 colaboradores saiu da empresa, o que representa uma redução de 16% na força de trabalho, e da negociação dos acordos com os sindicatos através dos quais se definiram revisões salariais”.

O plano da TAP irá incidir sobre a “reestruturação de custos” e ajustamento da capacidade à procura. A CEO destacou ainda a importância de a companhia estar mais próxima dos clientes, bem como “uma dimensão dos trabalhadores” que está a ser desenvolvida “agora” e da qual não deu mais detalhes, disse a gestora da companhia aérea, nessa entrevista publicada na ‘newsletter’ interna da empresa.

Em setembro do ano passado, a TAP anunciou que ia voar para Ibiza, Fuerteventura e Zagreb no verão de 2021, tendo ainda previstas duas novas rotas para a Tunísia e uma para Marrocos, numa altura em que já estava a ser elaborado o plano de reestruturação.

Nessa altura, a companhia aérea informou em comunicado que as novas rotas para o verão de 2021 se enquadram na “estratégia de rede de conexão” entre a Europa, as Américas e África, com a companhia a “aproveitar as oportunidades de expansão sazonais para planear e otimizar a sua rede de destinos”.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts