FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 12 Mai 2022

Águas do Alto Minho abre concurso para empreitada de 705 mil euros em Valença

A empresa Águas do Alto Minho abriu hoje concurso público para a expansão da rede de drenagem de águas residuais de Valença, pelo valor base de 705.603 euros, segundo um anúncio publicado em Diário da República (DR).

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

De acordo com a publicação, a empreitada lançada a concurso público pela empresa de gestão das redes de abastecimento de água em baixa e de saneamento básico inclui a execução de 4,3 quilómetros de redes de drenagem de águas residuais e duas estações elevatórias.

A intervenção, a realizar na União das Freguesias de São Julião e Silva, tem um prazo de execução de 210 dias.

Em 28 abril, a Assembleia Municipal de Valença aprovou, por maioria, a realização de um referendo local à saída do concelho da empresa Águas do Alto Minho, proposto pelo deputado eleito pelo PSD Paulo Esteves.

Contactado hoje pela agência Lusa, o deputado municipal do PSD adiantou que “a deliberação e a proposta de realização da consulta pública foram enviadas na última quinta-feira [dia 05] para o Tribunal Constitucional”.

“O concelho aguarda ansiosamente pela pronúncia do Tribunal Constitucional”, referiu.

A empresa Águas do Alto Minho (AdAM) iniciou atividade operacional a 01 de janeiro de 2020.

A empresa de gestão das redes de abastecimento de água em baixa e de saneamento básico é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e em 49% pelos municípios de Arcos de Valdevez (PSD), Caminha (PS), Paredes de Coura (PS), Ponte de Lima (CDS-PP), Valença (PS), Viana do Castelo (PS) e Vila Nova de Cerveira (PS), que compõem a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Três concelhos do distrito – Ponte da Barca (PSD), Monção (PSD) e Melgaço (PS) – reprovaram a constituição daquela parceria.

A AdAM, com sede em Viana do Castelo, “fornece mais de nove milhões de metros cúbicos de água potável, por ano, recolhe e trata mais de seis milhões de metros cúbicos de água residual, por ano, a cerca de 70 mil clientes”.

Desde o início da sua constituição, a empresa tem sido contestada por vários partidos e pela população, que se queixam do aumento “exponencial” das tarifas e do “mau” funcionamento dos serviços.

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts