FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
admin 17 Out 2010

GNR de Viana teme ficar sem motas porque estão todas a avariar

O Comando da GNR de Viana do Castelo teme ficar, “até ao final do ano”, sem motorizadas de patrulha, utilizadas normalmente pelo Destacamento de Trânsito. […]

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

O Comando da GNR de Viana do Castelo teme ficar, “até ao final do ano”, sem motorizadas de patrulha, utilizadas normalmente pelo Destacamento de Trânsito. É que das quatro que estavam atribuídas duas já estão paradas por falta de peças e as restantes ainda em funcionamento correm o risco de ir pelo mesmo caminho, o que já levou o comandante do destacamento a fazer um alerta público, nas recentes comemorações do dia do destacamento.

 
Segundo apurou a Geice, em causa estão quatro motos BMW com cerca de duas dezenas de anos e que com uma elevada rodagem apresentam um desgaste naturalmente maior. Em compensação, pelos anos de serviço, a reparação torna-se desajustada. “Não faz sentido gastar milhares de euros para arranjar estas duas motas, que estão paradas, porque vão continuar antigas e os mesmos problemas acabarão por surgir”, explicou fonte da GNR de Viana do Castelo. Os pedidos de substituição dos motociclos, estão quatro do género atribuídos ao destacamento de Viana do Castelo, já seguiu para o Ministério da Administração Interna, mas para já desconhece-se qualquer solução. O que é certo é que a GNR continua a operar com as duas do género restantes e que, segundo os próprios militares, a qualquer momento podem também parar, avariadas ou por falta de peças. “Nesse cenário, teremos que pedir reforço de meios a outros destacamentos, vizinhos, como Braga ou Porto. Aliás, isso não é novidade porque há situações em que as nossas quatro não chegavam para determinados serviços e já pedíamos esse reforço”, explicou a mesma fonte. Oficialmente, o Comando do destacamento já admitiu “duvidar” que as duas motas ainda a circular possam manter-se em serviço até ao final do ano, dado o elevado nível de desgaste que apresentam.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts